A Europa arrisca-se a falhar a sua maior prova de vida

Perante uma crise que “levou três semanas a abater-se sobre as economias”, quando a Grande Depressão ou a Grande Recessão “levaram três anos”, tudo o que se pode esperar dos líderes europeus parece estar agora no domínio dos milagres.

1. Nem sequer vale a pena tentar dourar a pílula. Foram suficientemente parcos e ambíguos os resultados da reunião do Eurogrupo de terça-feira passada para que dela tivesse saído um qualquer sinal positivo de que a União Europeia vai conseguir sobreviver a este tremendo abalo que corre o risco de transformar a crise do euro numa boa recordação. A carta que nesta quarta-feira os chefes de Estado e de governo de nove países da União, incluindo Portugal, enviaram ao presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, é já a resposta preventiva à tibieza das decisões do Eurogrupo e às profundas divisões que pôs a nu. Contém uma mensagem essencial: a única forma de evitar as consequências assimétricas de uma crise que é comum a todos e que não é culpa de ninguém estará na possibilidade de poder emitir dívida conjunta – os “coronabonds” , mesmo que limitada ao esforço suplementar de endividamento que os países vão ter de fazer para suster as respectivas economias num nível de contracção humanamente suportável.

Sugerir correcção
Ler 66 comentários