Morreu Stuart Gordon, o pai de Re-Animator

Encenador de teatro experimental, Stuart Gordon tornou-se mais conhecido por ter uma das imaginações mais surreais do cinema de terror americano, graças às suas adaptações de Lovecraft — mas também escreveu para a Disney e para Abel Ferrara. Morreu aos 72 anos de idade.

Foto
wiki commons

Stuart Gordon, que morreu na terça-feira aos 72 anos de idade, teve um dos percursos mais curiosos do cinema americano dos anos 1980: foi do teatro experimental em Chicago àquelas que são consideradas por muitos as melhores adaptações ao cinema da obra de H. P. Lovecraft – Re-Animator e From Beyond — e acabou a criar um dos maiores sucessos da imagem real da Disney — Querida, Encolhi os Miúdos!

Encenador, realizador e argumentista, Gordon viu os seus filmes exibidos regularmente no Fantasporto; foi igualmente convidado do MOTELx em 2009 e, nessa altura, João Monteiro, um dos responsáveis do festival, definia-o como “o menos conhecido” dos mestres do horror americanos oriundos do circuito independente. Uma geração que incluía John Carpenter, Joe Dante, Tobe Hooper, John Landis ou George Romero e que se reencontraria mais tarde na televisão, na série Masters of Horror (da qual Gordon dirigiu dois episódios).

Coroas de glória

Ao todo, Stuart Gordon, nascido em Chicago em 1947, apenas dirigiu 13 filmes, os mais conhecidos dos quais os dois primeiros — Re-Animator (O Soro Maléfico, 1985) e From Beyond (A Criatura que Veio do Além, 1986), adaptações sanguinolentas e surreais de histórias do escritor americano H. P. Lovecraft que se tornaram obras de culto ao longo dos anos, que atravessavam a fronteira entre o horror puro e o camp cómico.

Curiosamente, nada no percurso de Gordon, que até aí tinha obtido assinalável reconhecimento com a Organic Theater Company que criou em 1969 (e com a qual produziu adaptações de Orwell, Homero, Ray Bradbury ou Mark Twain, para além de ter produzido a estreia mundial da peça Perversidade Sexual em Chicago de David Mamet) faria pensar no cinema de género. E a verdade é que os inícios de Re-Animator, sobre um cientista louco procurando trazer os mortos de regresso à vida, foram pensados como projecto para palco mas foi no cinema que encontrou saída e sucesso — antes de voltar a palco, numa versão musical (!), em 2011.

Para lá de Re-Animator e From Beyond, Gordon tem duas outras “coroas de glória” na sua carreira. Foi ele quem escreveu e produziu, com o seu cúmplice de sempre Brian Yuzna, Querida, Encolhi os Miúdos! (1989), a história de um inventor distraído e do seu laser de redução de tamanho, que foi durante muito tempo o filme de acção real mais rendível da Disney e gerou duas sequelas e uma série televisiva. (Teria também sido ele a dirigi-lo, não tivesse adoecido antes da rodagem.) E é seu o argumento de Violadores: A Invasão Continua, a versão de A Invasão dos Violadores dirigida em 1993 por Abel Ferrara.

Dirigiu ainda Edmond (2005), adaptação de uma peça de David Mamet com William H. Macy no papel principal, ou Stuck (2007), inspirado no caso real de um atropelamento fatal, com Stephen Rea e Mena Suvari; bem como uma remake do Fosso e do Pêndulo de Edgar Allan Poe (1991) e uma adaptação de Ray Bradbury, The Wonderful Ice Cream Suit (1998), com argumento do próprio escritor. Mas nunca voltou a reencontrar o sucesso dos seus dois primeiros filmes e grande parte da sua obra a partir dos anos 1990 teve exposição sobretudo em festivais de género e em lançamentos directos em vídeo. Aliás, para lá das passagens no Fantasporto e no MOTELX, apenas Fortaleza de Alta Segurança (1992) teve estreia comercial entre nós.

Casado desde 1968 com Carolyn Purdy, Stuart Gordon deixa três filhas e uma das carreiras mais discretas do cinema de género americano. O seu último trabalho foi a produção teatral Taste (2014), inspirada pelo caso verídico do canibal austríaco Armin Meiwes.