Coronavírus: Primark encerra todas as lojas e suspende novos pedidos a fornecedores

Medida afecta 376 lojas em 12 países. Em Portugal, as lojas da Primark encerraram ainda antes da declaração do estado de emergência.

“Neste momento, estimamos ser capazes de recuperar cerca de 50% dos custos operacionais totais”
Foto
“Neste momento, estimamos ser capazes de recuperar cerca de 50% dos custos operacionais totais” Reuters/Suzanne Plunkett

A Primark decidiu encerrar todas as lojas e suspender todas as novas encomendas a fornecedores, informou a sede, esta segunda-feira, como resposta ao surto de covid-19. Ao todo, fecharam portas 376 pontos de venda em 12 países — em Portugal, onde a chancela tem dez lojas, o encerramento foi concretizado na última quarta-feira, ainda antes da declaração de estado de emergência no país.

“Uma variedade de fluxos de trabalho foi estabelecida para mitigar o efeito da contribuição perdida com essas vendas e todas as despesas estão a ser revistas”, disse a Associated British Foods (ABF), proprietária da Primark. “Neste momento, estimamos ser capazes de recuperar cerca de 50% dos custos operacionais totais.”

A mesma ABF adiantou não estar a ter qualquer impacte negativo nas suas operações de açúcar, mercearias e produtos agrícolas, sendo a sua liquidez total disponível de 1900 milhões de libras (cerca de dois mil milhões de euros).

Com a propagação da pandemia por infecção de SARS-CoV-2, que se estima já ter sido responsável por quase 15.000 óbitos em todo o mundo, os governos de vários países estão a restringir fortemente o movimento de pessoas de forma a travar o flagelo. Em Portugal, o estado de emergência, declarado ao fim do dia da última quarta-feira pelo Presidente da República e que entrou em vigor às zero horas de domingo, prevê, entre outras medidas, a suspensão das “actividades de comércio a retalho, com excepção daquelas que disponibilizem bens de primeira necessidade ou outros bens considerados essenciais na presente conjuntura”.

Sugerir correcção