Polícias da Escola Segura e CTT podem ser mobilizados para apoio a alunos

Ministério da Educação envia propostas de acção para ajudar estudantes mais vulneráveis.

Forças de segurança afectas ao programa Escola Segurança poderão assegurar acompanhamento de alunos
Foto
Forças de segurança afectas ao programa Escola Segurança poderão assegurar acompanhamento de alunos Sara Jesus Palma

O Ministério da Educação aconselhou as escolas, nesta sexta-feira, a articularem-se com as equipas afectas ao Programa Escola Segura da PSP e da GNR de modo a garantir um” seguimento na proximidade” dos alunos “em situação de vulnerabilidade” e que se encontrem “com maior risco potencial de exclusão social” depois da suspensão das aulas no âmbito da pandemia do novo coronavírus

Esta é uma das várias propostas de acção contidas numa nota enviada pelo ministério às escolas, que é também subscrita pela Presidência do Conselho de Ministros, que tutela a pasta da Cidadania, a Igualdade e a Integração e Migrações. Aqui se sugere também a articulação “com os CTT para entregar/levantar fichas de apoios e os trabalhos” feitos em casa e no que respeita às próprias escolas pede-se que definam “canais de comunicação simples com as crianças e jovens em situação de vulnerabilidade, privilegiando momentos de contacto diário, através de todas as formas de comunicação disponíveis, como o telefone (voz ou mensagem)”.

O ministério informa também que “os canais de televisão se disponibilizaram para divulgar conteúdos educativos em momentos específicos” e aconselha a que se estimule “a visualização desses momentos”. Por outro lado, apela que que se mobilize “cidadãos para interagirem com as famílias e crianças”, nomeadamente estudantes, bancos de voluntariado das autarquias e das universidades, professores reformados, dirigentes do Corpo Nacional de Escutas, entre vários outros. Pelo seu lado, o Alto Comissariado para as Migrações (ACM) já informou que “pode identificar crianças e jovens em situação de vulnerabilidade, através da rede do ACM (identificação da população imigrante, refugiada, cigana e oriunda de contextos vulneráveis)” e sinalizar aquelas “que têm e não têm acesso à Internet, smartphones, tablets, redes sociais, comunicando posteriormente aos respectivos estabelecimentos escolares”.

O ACM garante ainda que, no âmbito do programa Escolhas, que visa promover a inclusão social de crianças e jovens de contextos socioeconómicos vulneráveis, continuará a ser assegurado “apoio social e alimentar às famílias” abrangidas por projectos que já tinham esta componente. “Alguns projectos, mesmo estando encerrados ao público, têm acertado rondas semanais com o intuito de despistar localmente focos de problemas ou apena de dúvidas”, sendo que estas equipas “podem ser a garantia de contacto entre os alunos e as escolas, disponibilizando apoios diversos”, acrescenta o ACM.

Sugerir correcção