ONG diz que falta vontade política para devolver dinheiro a Angola

Para a Transparência Internacional, o sistema judiciário parece mal preparado para lidar com a lavagem de dinheiro.

Foto
Isabel dos Santos era empresária de referência em Portugal Reuters/Toby Melville

A organização Transparência Internacional disse esta sexta-feira que o arresto dos bens da empresária Isabel dos Santos, em Portugal, é “um passo importante rumo à Justiça”, mas alertou que parece haver “falta de vontade política” para devolver o dinheiro.

“A decisão de congelar todos os bens de Isabel dos Santos em Portugal é um passo importante rumo à Justiça”, disse a directora executiva da organização não-governamental (ONG) Transparência Internacional em Portugal, Karina Carvalho. No entanto, acrescentou, “continua por esclarecer porque é que as autoridades portuguesas não cumpriram os pedidos de cooperação judicial” feitos pelas autoridades angolanas.

“Não só parece que há uma falta de vontade política em Portugal para promover activamente a devolução do dinheiro roubado às pessoas a quem pertence, como o sistema judiciário parece mal preparado para lidar com a lavagem de dinheiro, particularmente relativamente à recuperação dos activos roubados”, continuou Karina Carvalho, num comunicado enviado à Lusa.

Em Fevereiro, as autoridades judiciais portuguesas ordenaram o congelamento das contas bancárias de Isabel dos Santos no seguimento de um pedido das congéneres angolanas “para ajudar o país a recuperar mais de 2 mil milhões de dólares em activos roubados”, lembrou a Transparência Internacional - Associação Cívica.

“Esta nova decisão estende-se a várias propriedades e acções de empresas que Isabel dos Santos alegadamente tem em Portugal, e vai ajudar a garantir que ela não lucra com a venda das acções no banco Eurobic, por exemplo”, notou a ONG.

Isabel dos Santos, filha do ex-Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, foi constituída arguida no âmbito de um outro processo por alegada “má gestão e desvio de fundos” enquanto presidente da companhia petrolífera estatal Sonangol.

A empresária rejeita as acusações e queixa-se de perseguição e de ser “alvo de uma campanha [...] orquestrada por vários órgãos de comunicação social”.

O Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação revelou em 19 de Janeiro mais de 715 mil ficheiros, sob o nome de "Luanda Leaks", que detalham alegados esquemas financeiros de Isabel dos Santos e do marido, que lhes terão permitido retirar dinheiro do erário público angolano através de paraísos fiscais.