Taxa de juro dos empréstimos à habitação abaixo de 1% pela primeira vez

Mínimo histórico da taxa implícita para o conjunto dos empréstimos existentes mostra a descida das taxas associadas, mas também a redução dos spreads.

Juros dos empréstimos da casa estão em mínimos históricos
Foto
Juros dos empréstimos da casa estão em mínimos históricos Miguel Manso

A taxa de juro do conjunto dos empréstimos à habitação desceu para 0,997%, em Fevereiro, menos 0,3 pontos base face a Janeiro (1%), um valor que corresponde a novo mínimo histórico. Esta evolução, divulgada esta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística, é explicada pela queda das taxas Euribor, na base da maioria dos contratos, e que já anulou boa parte dos spreads nos contratos mais antigos, mas também a tendência de redução da margem comercial aplicada pelos bancos nos novos empréstimos.

Nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro subiu ligeiramente, de 1,090% para 1,131%.

A descida das taxas de juro que se tem verificado reduz os encargos que as famílias têm com os empréstimos à habitação, o que é positivo neste momento de crise como o actual, provocada pela covid-19. Os bancos, conjuntamente com o Banco de Portugal e o Governo, estão a preparar uma moratória de capital e de juros para os empréstimos das famílias mais afectadas com a crise, o que pode evitar a entrada em incumprimento e o diminuir o risco de perda da casa.

Considerando a totalidade dos contratos, o valor médio da prestação vencida aumentou um euro, para 248 euros, uma tendência já verificada em Janeiro. Deste valor, 45 euros (18%) correspondem a pagamento de juros e 203 euros (82%) a capital amortizado.

Nos contratos celebrados nos últimos três meses, o valor médio da prestação subiu cinco euros, para 342 euros.

Sugerir correcção