Coronavírus: França prepara declaração de quarentena parcial. Situação epidémica é “extremamente preocupante”

O Governo francês está a preparar-se para impor a quarentena parcial, e o Presidente francês, Emmanuel Macron, fala nesta segunda-feira à noite ao franceses.

,beco Diagonal
Foto
Receia-se que os hospitais franceses não tenham capacidade para aguentar o cada vez maior fluxo de pacientes de covid-19 CHRISTOPHE PETIT TESSON/LUSA

A situação da pandemia de covid-19 em França é “extremamente preocupante” e está a “deteriorar-se muito depressa”. O Governo francês prepara-se para ordenar a quarentena parcial no país, disseram fontes do executivo à Reuters. Espera-se que a decisão entre em vigor na noite desta terça-feira, e o Presidente francês, Emmanuel Macron, fala nesta segunda-feira à noite ao país. 

“O número de casos duplicou nos últimos três dias”, avisou nesta segunda-feira o mais importante responsável de saúde francês, Jérôme Salomon, citado pela rádio France Inter. A situação, continuou, é “extremamente preocupante” e está a “deteriorar-se muito depressa”, ao ponto de haver a hipótese de a “velocidade de propagação do surto saturar os hospitais”. 

Quem está no terreno diz que os hospitais públicos já estão sobrecarregados com o enorme fluxo de pacientes, com muitos a permanecerem nos cuidados intensivos. “Alguns [hospitais] estão completamente sobrecarregados, outros estão a ficar, mas estamos a ver uma onda a chegar”, disse Philippe Juvin, chefe das urgências do Hospital Georges-Pompidou, em Paris, ao Le Monde

As autoridades francesas registaram até ao momento 5423 casos de infecção de covid-19 e 127 pessoas já morreram. O aumento exponencial de casos obrigou o primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, a ordenar neste sábado o encerramento de todos os restaurantes, bares e cinemas, ao mesmo tempo que apelou aos franceses para restringirem a circulação ao estritamente essencial, como ida aos supermercados e farmácias, como medida de contenção da epidemia. 

As creches, escolas e universidades estão encerradas por tempo indeterminado a partir desta segunda-feira e o Presidente Emmanuel Macron já caracterizou a epidemia como a “mais grave crise de saúde pública que a França conhece num século”. Há milhares de empresas encerradas e trabalhadores a trabalhar a partir de casa, à semelhança de Portugal e de tantos outros países europeus. 

Mas nem todos têm respeitado o apelo das autoridades e neste domingo milhares de franceses saíram de casa para passear em parques, nas margens dos rios e mar e espaços públicos em Paris e Marselha, por exemplo, diz a Reuters. 

A desobediência às recomendações das autoridades francesas e a velocidade de propagação da covid-19 levaram o Governo francês a preparar-se para ordenar a quarentena parcial a partir desta terça-feira, disseram fontes do executivo à Reuters. Ainda não foi tomada uma decisão final, mas o rascunho do decreto-lei já foi redigido, Macron vai almoçar nesta segunda-feira com o Conselho de Segurança dedicado à epidemia e falará ao país à noite (19h em Portugal continental). 

Sugerir correcção