As lições que Taiwan tem para dar na forma de lidar com o novo coronavírus

Sem grandes quarentenas, mas usando inteligência artificial, assistência de saúde gratuita, comunicação frequente e transparente. Foi assim que Taipé se tornou um exemplo, mesmo com a China ali ao lado.

Fotogaleria
Num mercado de rua de Taipé, vendedor e compradores andam de máscara Ann Wang/REUTERS
Pandemia de coronavírus 2019-2020
Fotogaleria
Soldados com fatos de protecção desinfectam bagagem de um voo vindo da China,Soldados com fatos de protecção desinfectam bagagem de um voo vindo da China Ministério da Defesa Taiwan/EPA,Ministério da Defesa Taiwan/EPA
Wuhan
Fotogaleria
Crentes protegem-se com máscaras no templo de Lungshan em Taipé Ann Wang/REUTERS
Fotogaleria
Nas cantinas das escolas, os alunos comem entre divisórias para evitar a contaminação Ann Wang/REUTERS

Há várias razões para o sucesso de Taiwan na sua luta contra o novo coronavírus que teve origem na cidade de Wuhan, na vizinha China. Uma é a experiência com a epidemia da SARS em 2003, que deixou 73 mortos, e foi devastadora para a economia. Outra foi uma articulação entre vários departamentos, sector público e privado, informação detalhada ao público, um sistema de saúde preparado, apoio do Estado aos afectados, e cruzamento de dados e inteligência artificial para identificar casos em risco e monitorização para assegurar a quarentena destas pessoas.

Por isso, Taiwan tem a registar 59 casos, uma morte, e 20 casos recuperados. Números muito mais baixos do que países da região como a Coreia do Sul (8086 infectados, 72 mortos) ou o Japão (773 casos, 22 mortos). Mais, Taiwan pode mesmo gabar-se de uma das incidências per capita mais baixas, cerca de uma infecção em cada 500 mil pessoas. Isto quando os seus contactos com a China poderiam fazer prever o contrário: 850 mil taiwaneses vivem na China e 400 trabalham lá, Taiwan recebeu 2,71 milhões de visitantes da China no ano passado.

O sucesso de Taiwan foi detalhado num artigo na revista médica Journal of the American Medical Association por um perito norte-americano, Jason Wang, director do Centro para Políticas, Resultados e Prevenção da Universidade de Stanford, que começou a observar o que estava a ser feito por curiosidade, porque se preparava para um curso numa universidade em Taipé.

O plano de resposta rápida incluiu 124 acções que foram tomadas ao longo de cinco semanas, e concretizadas com rapidez e coordenação impressionantes aos primeiros sinais de alarme – ainda não era conhecida a situação real na China, mas já os peritos taiwaneses tinham tido a sensação de que havia um problema maior do que o admitido por Pequim.

Parte da razão da rapidez e coordenação das medidas foi um centro herdado do tempo da SARS, um surto que se espalhou a vários países em 2003, causado por um outro coronavírus, com uma cadeia de decisão rápida.

Cinco dias depois de ter o primeiro caso confirmado, a 26 de Janeiro, Taiwan cortou as viagens de Wuhan – o primeiro local a fazê-lo. E passado pouco tempo fez o mesmo em relação a voos de outras cidades chinesas, permitindo apenas o regresso de taiwaneses.

Mas esta foi apenas uma de um grande leque de medidas. Todos os aeroportos têm monitores de temperatura desde 2003, e qualquer pessoa com febre, um dos sintomas de doença provocada pelo coronavírus, era sinalizada.

Mais, dados do percurso de viagens da pessoa nas duas semanas anteriores e outros eram cruzados, o que permitia fazer logo uma triagem de casos potenciais do novo coronavírus – encaminhados para estrita quarentena - ou apenas uma outra virose. Mais, quem viesse de zonas consideravelmente afectadas era posto de qualquer modo em quarentena. O uso de inteligência artificial para cruzar dados e estimar risco – por exemplo, alertando em tempo real os habitantes de áreas de risco – foi considerado um sucesso.

Vigilância por GPS, quarentena paga

Quem estivesse de quarentena era monitorizado via localizador do GPS do telefone – e sujeito a multas pesadas se prevaricasse. Quem não declarasse sintomas era sujeito a multas avultadas. Um homem que não informou as autoridades que tinha sintomas depois de regressar de Wuhan e foi a uma discoteca no dia seguinte foi multado em dez mil dólares taiwaneses (quase 3000 euros).

Por outro lado, o sistema de saúde tem uma cobertura praticamente universal, os testes não têm custos para os potenciais doentes, e qualquer pessoa que tivesse de ficar de quarentena tinha os custos totalmente assegurados pelo governo, desde o alojamento, se precisasse, à comida.

Os hospitais começaram também rapidamente a testar e reportar casos, e quando eram identificados, as autoridades também usaram os dados para determinar rapidamente quem tinha estado em contacto com os doentes – estas pessoas eram rapidamente postas em quarentena. E, mais, voltaram por vezes a testar pessoas cujo teste tinha dado negativo, apontou Wang.

Não houve limites a encontros em locais públicos, mas a maioria das empresas e estabelecimentos (centros desportivos ou comerciais, restaurantes ou bares) só permitiam a entrada depois de medirem a febre e desinfectarem as mãos dos visitantes, e nos prédios residenciais havia gel desinfectante nos elevadores, ou à saída, para quem tocasse nos botões pudesse logo desinfectar as mãos.

Na Ásia e em países com grandes concentrações de pessoas, máscaras de protecção são úteis e promovem uma sensação de segurança na comunidade - apesar de serem consideradas em geral pouco eficazes para impedir a transmissão do vírus na comunidade, sendo sim aconselhadas apenas para quem está doente e para profissionais de saúde (especialmente em países europeus onde começam a faltar).

Mas dada a sua importância local, as autoridades proibiram os fabricantes de máscaras de as exportar, racionaram a sua compra por pessoa, e estabeleceram um preço mais baixo a 16 cêntimos. A certa altura, destacaram mesmo soldados para as fábricas para aumentar a produção.

Sentido de comunidade

O professor de Medicina da Universidade da Califórnia Robert Brook, que é-co autor do estudo de Wang sobre o sucesso de Taiwan, destaca que outro ponto crítico foi a unidade nacional em volta da questão, apesar de existir um sistema político tão polarizado como nos Estados Unidos. “Os vários partidos políticos dispuseram-se a trabalhar juntos para produzir uma resposta imediata ao perigo”, disse. “Mas sabiam que tinham uma crise em mãos e conseguiram agir juntos, cortar a burocracia e trabalhar rapidamente para fazer o que era preciso”, disse à estação de televisão americana NBC.

E a transparência e comunicações frequentes de responsáveis – e ainda emissões regulares de rádio e televisão, ou apps que mostravam onde havia máscaras disponíveis para compra em tempo real, por exemplo – foram também importantes para evitar o pânico.  

De uma linha de apoio nacional o país passou rapidamente a ter linhas locais em várias grandes cidades, para assegurar que ninguém ficava sem resposta rápida.

Essencial foi também a cooperação dos cidadãos, conseguida tanto pela transparência da comunicação como pela experiência da SARS, que “ajudou a criar um sentido de comunidade”, disse Chunhuei Chi, professor de Saúde Pública na Universidade de Oregon, à emissora alemã Deutsche Welle. “Sabem que estão nisto juntos e isso faz com que cumpram as medidas decretadas pelo Governo.”

Este sucesso aconteceu apesar de Taiwan não pertencer à OMS – por causa de pressão de Pequim, que insiste que Taiwan não é um país independente e sim parte da China. “A OMS devia saber que a inclusividade é a chave para combater uma pandemia, e se está a ignorar algumas pequenas partes do mundo, isso não é bom”, disse Wang.