Sindicato pede a médicos que se recusem a atender doentes se não tiverem protecção

Federação Nacional dos Médicos também denunciou falta de máscaras para os profissionais de saúde. Número de médicos em quarentena está em crescimento.

Foto
Associações denunciam falta de equipamento de protecção no combate ao coronavírus Paulo Pimenta

Numa nota publicada esta sexta-feira, o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) pede aos profissionais de saúde que se recusem a atender todos os doentes com sintomas respiratórios agudos se não tiverem equipamentos de protecção adequados.

O SIM começa esta comunicação com o aviso de que o número de médicos obrigados a ficar de quarentena têm aumentado. “Chegam-nos a toda a hora relatos de médicos a ficarem em quarentena por contacto durante a execução de consultas com doentes confirmados como positivos ou suspeitos, a maior parte deles com sintomas respiratórios mas não elegíveis como casos suspeitos pelas normas da DGS”, escreve o sindicato.

O SIM denuncia que os profissionais de saúde não têm acesso aos equipamentos de protecção necessários, revelando que as máscaras cirúrgicas estão a ser racionadas em muitos locais.

Também a Federação Nacional dos Médicos (FNAM) denunciou esta sexta-feira a falta de equipamentos de protecção básicos para controlo de infecção e a ausência de stocks adequados para enfrentar um eventual aumento exponencial de casos da doença Covid-19.

“A Federação Nacional dos Médicos tem recebido vários relatos de insuficiência de equipamentos de protecção básicos para controlo de infecção e de ausência de stocks adequados, para enfrentar um eventual aumento exponencial de casos de infecção por coronavírus”, refere a FNAM, em comunicado.

Nesse sentido, a FNAM “aconselha os médicos a exigir os equipamentos de protecção recomendados, de acordo com a orientação 003/2020 da Direcção Geral da Saúde (DGS).

“Caso estes não estejam disponíveis, os médicos devem optar por interromper a sua actividade, reportando imediatamente a falha aos superiores hierárquicos e sindicatos. Só estando garantida a segurança do profissional médico é que este pode retomar a sua actividade”, alerta a FNAM.

Na fase actual, o atendimento de toda a infecção respiratória “deve exigir máscara cirúrgica para colocar ao doente e material de higienização”.

“Se um caso de infecção respiratória chegar ao gabinete médico (em contexto de urgência ou consulta), o médico deve questionar o contexto epidemiológico e, caso se enquadre na definição de caso suspeito, deve equipar-se adequadamente para a prestação de cuidados a menos de um metro, antes de prosseguir na observação do doente”, adverte a FNAM.

Nos casos graves/emergentes com necessidade de procedimentos invasivos, o equipamento adequado, de acordo com a federação, “é o fato de protecção integral ou, no mínimo, a alternativa recomendada na orientação da DGS”. Com Lusa

Sugerir correcção