Árbitros no activo acusam Conselho de Arbitragem de pressões e põem em causa o VAR

Profissionais dizem que árbitro consegue controlar onde são colocadas linhas de fora-de-jogo, influenciando decisões sobre lances. A RTP ouviu três árbitros em actividade sob anonimato que acusam órgão federativo de falsificação de documentos e corrupção.

Foto
NFACTOS / GONCALO DELGADO

Depois do ex-árbitro Jorge Ferreira, mais três profissionais acusam o Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) de corrupção, falsificação de documentos e pressões para favorecer os clubes com mais poder. A RTP falou com três árbitros no activo, que, sob anonimato, levantam também dúvidas sobre a actuação do videoárbitro (VAR). 

Uma das revelações prende-se com a subjectividade na utilização da tecnologia do fora-de-jogo, já que, sublinha um dos juízes ouvidos na peça, o VAR tem o poder de definir o exacto momento da colocação da linha virtual: “Somos nós que em sala colocamos a linha do fora-de-jogo. Eu digo ao operador: ‘Coloca a linha neste ponto ou naquele’. Quando falamos em margens de 3 centímetros, se calhar se coloca naquele ponto [está adiantado], se colocar noutro, se calhar não tem 3 centímetros. O videoárbitro usa as linhas que bem entender com a ajuda do operador de imagem colocando-a mais à frente ou mais atrás de acordo com o momento de tensão que ali está a viver”, explica um dos árbitros.

Estas declarações surgem dias após um fora-de-jogo com precisamente três centímetros que invalidou um golo ao FC Porto, no Estádio do Dragão. Esta irregularidade detectada pelo videoárbitro na partida frente ao Rio Ave gerou revolta junto dos portistas, levando o presidente, Jorge Nuno Pinto da Costa, a criticar a actuação do árbitro, Artur Soares Dias, e do VAR, Vasco Santos.

Os árbitros ouvidos pela RTP denunciam também pressões alegadamente feitas por dirigentes do CA para que os “três grandes” (FC Porto, Benfica e Sporting) sejam beneficiados. Se isso não acontecer, explicam, são olhados desfavoravelmente, podendo ser despromovidos ou, em outros casos, “convidados” a arbitrar jogos em campeonatos estrangeiros, de modo a apaziguar os dirigentes dos clubes descontentes.

“Está montada uma teia que o CA usa de pessoas que, para se calarem, são aliciadas a ter outros cargos na estrutura federativa. Temos o caso do Bruno Paixão que foi convidado a sair do cargo de videoárbitro especialista e foi aliciado a ter um cargo de observador. Pressões de ‘vê lá se te portas bem’, ‘cuidado com os três grandes’, ‘eles é que estão na comunicação social’, ‘se não te portares bem tens de vir cá para fora defender o Conselho de Arbitragem’”, explica um dos árbitros.

Voltando ao videoárbitro, um dos testemunhos dá conta de um episódio insólito que terá ocorrido na época 2018-19: depois de uma decisão correcta que terá, alegadamente, prejudicado um clube "grande”, o videoárbitro pediu ao árbitro principal para rever o lance. Na cabine de revisão de imagens, o ecrã de televisão estaria, porém, a negro, com o árbitro a sentir-se forçado a reverter a decisão tomada momentos antes.

Para os profissionais ouvidos pela RTP – que já testemunharam junto do Ministério Público (MP) –, a evolução na carreira não está dependente do mérito, mas sim do relacionamento com a esfera dirigente do CA. "Foram despromovidos árbitros que passaram nas provas físicas e tinham notas positivas e outros que não passaram nas provas físicas e permanecem na primeira divisão, muito fruto de um compadrio, de uma aproximação de conselheiros, inclusive alguns familiares, no caso do senhor Paulo Costa que tem um irmão, Rui Costa, que é árbitro da primeira divisão e é um dos casos que não passa nas provas físicas”, afirma uma das fontes.

Tal como Jorge Ferreira, também estes árbitros denunciam ilegalidades na atribuição de classificações e falsificação de documentos. O ex-árbitro de Fafe revelou publicamente que tinha feito uma denúncia junto do MP contra o CA. A Procuradoria-Geral da República confirmou ao PÚBLICO a abertura de um inquérito, que se encontra sob segredo de justiça. O CA da FPF limitou-se a dizer à RTP que iria agir judicialmente, recusando fazer mais comentários.