Madeira em estado de alerta: voos da Dinamarca, França, Alemanha, Suíça e Espanha proibidos de aterrar

Voos provenientes de países com casos de coronavírus activos não podem aterrar na Madeira.

Foto
Miguel Albuquerque anunciou que voos vindos de países contaminados pelo coronavírus não podem aterrar no Funchal LUSA/HOMEM DE GOUVEIA

O Governo Regional da Madeira colocou a região autónoma em Estado de Alerta, e vai fechar os aeroportos do arquipélago a voos provenientes de países com casos de transmissão activa de covid-19 referenciados pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

“É um imperativo ético da minha parte, determinar a cessação das operações aéreas com origem em todos os países com casos positivos e referenciados pela OMS, com transmissão comunitária activa o mais rapidamente possível”, anunciou o presidente do executivo madeirense, Miguel Albuquerque, durante uma conferência de imprensa que decorreu durante a tarde desta sexta-feira. A medida, acrescentou, já foi comunicada a Lisboa e às autoridades aeronáuticas nacionais, e visa a cessação das operações aéreas com origem na Dinamarca, Espanha, França, Alemanha e Suíça.

“Essa cessão, do nosso ponto de vista, deveria ocorrer durante o prazo de sete dias até nova avaliação”, disse o presidente do governo regional, explicando que o Funchal está apenas a aguardar a autorização das autoridades nacionais, para implementar a proibição. Os voos nacionais, para já, não serão restringidos, dada a importância das ligações internas para a região.

Depois de ter fechado quinta-feira os portos e marinas, a navios de cruzeiro e iates, o Funchal vai apertar ainda mais o controlo para quem chega de avião. Além do preenchimento obrigatório de um inquérito, ainda a bordo, passageiros e tripulantes são submetidos a testes de temperatura logo após o desembarque.

A Madeira, sublinhou Albuquerque, não tem qualquer caso registado de infecção pelo novo coronavírus, e por isso é preciso reforçar as medidas de prevenção, que não se resumem ao turismo. Mesmo os residentes, como os estudantes universitários a frequentar instituições no continente, vão ser controlados. “Os que já estão com a sinalização de isolamento social recomendado pelo SNS24, devem cumprir escrupulosamente os 14 dias determinados, findo os quais podem regressar à Madeira. Os demais, ao chegaram à região devem cumprir o período de isolamento conhecido.”

Para todos, avisou, pode haver determinação de isolamento profilático por parte das autoridades de saúde, com vigilância activa durante 14 dias após o desembarque no arquipélago. “O incumprimento destas indicações, é um crime de desobediência, sujeito à apresentação de queixa às autoridades judiciais.”

Insistindo que o abastecimento da região autónoma não está em causa – “não precisam de ir a correr para os supermercados” –, e voltando a recomendar o adiamento de todas as viagens que não sejam “estritamente necessárias”, Albuquerque reforçou com a segurança e a saúde das pessoas é a “preocupação primeira” do governo, mas não esquece que ninguém vive sem economia. Por isso, o Funchal vai disponibilizar “de imediato” 75 milhões de euros para minimizar os efeitos resultantes das medidas de prevenção. O grosso, 50 milhões de euros vão para o apoio à tesouraria das empresas, e os restantes 25 milhões de euros para o Serviço Regional de Saúde.