Coronavírus: Portugal Fashion suspenso por haver riscos para a saúde pública

O evento começou na quinta-feira, à porta fechada, na Alfândega do Porto, mas foi suspenso por decisão conjunta com a Direcção-Geral de Saúde.

Foto
O Portugal Fashion foi suspenso LUSA/ESTELA SILVA

O Portugal Fashion (PF) foi suspenso depois de ter arrancado nesta quinta-feira à porta fechada, na Alfândega do Porto. A decisão foi tomada em conjunto com a Direcção-Geral de Saúde (DGS). “Os desfiles e apresentações de moda do segundo e terceiro dias do 46.º Portugal Fashion não se vão realizar por haver riscos para a saúde pública, conforme parecer técnico emitido hoje pelas entidades competentes”, avança a direcção do evento de moda, em comunicado.

Trata-se de uma medida de precaução para controlar a pandemia de covid-19 na sequência das mais recentes decisões do Governo como o fecho de escolas, a partir de segunda-feira. A decisão, garante o PF, “não é motivada pela identificação de qualquer caso suspeito de infecção pelo novo coronavírus, no evento”. Mas sim, justifica, por causa da “recente evolução do surto do novo coronavírus em Portugal, que levou a um reforço das medidas de contenção da epidemia, justifica uma atitude mais restritiva em relação a eventos em recintos fechados”, justifica a direcção do PF.

Antes, a organização decidiu não cancelar o evento de moda como sendo seu “dever defender o interesse comercial e profissional de criadores e marcas, fazendo o que for possível para garantir a realização dos desfiles integrados no circuito internacional de moda.” Por isso, não tinha cancelado o evento, apesar de ser esta a medida preventiva que estar a ser tomada pelas organizações de outros eventos por todo o país.

“O nosso plano de contingência foi revisto à risca e estamos sempre em contacto com a Direcção-Geral da Saúde”, garantia Mónica Neto, directora do PF, ao PÚBLICO, no primeiro dia do evento de moda. E os desfiles estavam limitados aos profissionais da moda e da comunicação social. Ainda assim, o PF “lamenta o sucedido e compromete-se a trabalhar com os criadores e marcas no sentido de encontrar, em conjunto, uma forma de reverter esta contrariedade num futuro próximo”

Na quinta-feira, o PF decorreu  à porta fechada e sem público, com um cenário de pessoas com máscaras e desinfectantes espalhados pela Alfândega do Porto. Houve criadores que adiaram as suas apresentações. Os desfiles foram transmitidos online e em directo (live streaming). Para esta sexta-feira estavam previstos os desfiles de Alexandra Moura, Diogo Miranda e Luís Onofre. A tarde começava com a designer Estelita Mendonça, seguida de Pé de Chumbo, Hugo Costa e Sophia Kah – marca portuguesa fixada em Londres.