Ministério da Cultura determina “encerramento imediato” de Jerónimos e Torre de Belém

Filas longas à porta dos monumentos levam ao seu encerramento.

Fotogaleria
Filas longas esta manhã à porta do Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa Rui Gaudêncio
Torre de Belém
Fotogaleria
O Ministério da Cultura ordenou o encerramento da Torre de Belém e do Mosteiro dos Jerónimos Rui Gaudêncio
,Mosteiro dos Jerónimos
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
,Tomar
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio

O Ministério da Cultura (MC) vai encerrar alguns dos seus monumentos mais visitados, como o Mosteiros dos Jerónimos e a Torre de Belém, ambos em Lisboa, soube o PÚBLICO junto da assessoria de imprensa do MC. Além destes dois monumentos, vai encerrar igualmente o Museu Nacional de Arqueologia, situado no complexo monumental dos Jerónimos.

Em comunicado ao final da manhã, o Ministério da Cultura determinou “o encerramento imediato” dos três equipamentos culturais”, “devido ao elevado afluxo e concentração de pessoas no espaço público envolvente e no interior dos mesmos”.

De facto, conforme o PÚBLICO observou esta manhã, são longas as filas que se têm formado à porta do Mosteiro dos Jerónimos, provocando a concentração de turistas nacionais e estrangeiros, com as pessoas em contacto físico muito próximo, situação contrária ao distanciamento social aconselhado pela pandemia de coronavírus. O monumento, que é Património da Humanidade desde 1983, tem mantido este cenário nos últimos dias.

O Mosteiro dos Jerónimos é o mais visitado dos 23 monumentos, museus e palácios geridos pela Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), um organismo do Ministério da Cultura, com 1.079.459 entradas contabilizadas em 2018.

“Foram ainda dadas orientações à Direcção Geral do Património Cultural e às direcções regionais de Cultura para avaliarem e garantirem em todos os museus, palácios, monumentos e sítios a implementação de todas as recomendações e orientações da Direcção-Geral de Saúde e do Governo, no que diz respeito à concentração e afluxo de pessoas e aos planos de contingência relativos ao covid-19”, acrescenta o comunicado

Sugerir correcção