Imersão e participação

É notável que o dispositivo fílmico nos coloque no centro da acção. Como se todos os acontecimentos se dessem em nosso redor e fôssemos transformados em testemunhas oculares.

Em <i>Roi Soleil</i> (2017), performance na Galeria Graça Brandão em Lisboa, todos éramos transformados em cúmplices da morte de um homem que víamos em confronto com o abismo da sua vida
Foto
Em Roi Soleil (2017), performance na Galeria Graça Brandão em Lisboa, todos éramos transformados em cúmplices da morte de um homem que víamos em confronto com o abismo da sua vida

“Nascemos no museu, é a nossa casa mãe.” disse Godard numa conversa com o ensaísta Youssef Ishaghpour a propósito das suas História(s) do Cinema. A afirmação pode servir como emblema para um conjunto de autores que fazem do trânsito entre a “sala de cinema” (aqui a significar o sentido mais corrente e vulgar dos meios de exibição, difusão e circulação do cinema) e a sala de exposições um movimento natural. Não que aquela afirmação legitime todas as intromissões e contaminações entre dois universos (conceptuais, processuais e metodológicos) tão distintos, mas mostra a existência de uma afinidade fundamental e, sobretudo, mostra a ligação originária entre o cinema e a pintura, a escultura, a performance.