Torne-se perito Crítica

Na sala de cinema, abandonados à nossa liberté

Liberté tem a magnitude de uma súmula. Da aventura humana nos filmes de Albert Serra. E dos métodos do cinema de Albert Serra. Os espectadores, como os actores e as personagens, estão abandonados à sua liberdade. E hoje mais do que nunca abandonados na sala - onde este filme tem de set visto.

<i>Liberté</i> fabrica, na paisagem alentejana, na Amareleja onde foi rodado (é uma co-produção da Rosa Filmes), um objecto plástico, sintético
Fotogaleria
Liberté fabrica, na paisagem alentejana, na Amareleja onde foi rodado (é uma co-produção da Rosa Filmes), um objecto plástico, sintético Andergraun Films, Idéale Audience, Rosa Filmes
Fotogaleria
Andergraun Films, Idéale Audience, Rosa Filmes
Fotogaleria
Andergraun Films, Idéale Audience, Rosa Filmes
,Festival de Cinema de Nova York
Fotogaleria
Andergraun Films, Idéale Audience, Rosa Filmes
Cinemateca Portuguesa
Fotogaleria
Andergraun Films, Idéale Audience, Rosa Filmes
Fotogaleria
Andergraun Films, Idéale Audience, Rosa Filmes

Foi muito concreta, física, material a sensação, durante a primeira sessão de Liberté em sala (Cannes 2019, com inusitada apresentação do director artístico do festival, Thierry Frémaux, a avisar-nos da “radicalidade formal” do bizarro objecto que nos entregava, tentando uma contenção de danos com um “quero ver-vos todos aqui no final”), a sensação, dizia, de que um filme está não atrás, na câmara, nem à frente, no ecrã, mas está no meio, na sala. Talvez tenha sido Frémaux a recear a reacção perante a lucidez, o desafio, a crueldade e a ternura de Liberté ao colocar um colectivo de espectadores no centro da espessa escuridão de um cruising de mais de duas horas de duração. Onde se arrasta, atira olhares e se masturba um grupo de libertinos que por esses dias do século XVIII, à beira da Revolução Francesa e em desgraça na corte de Luís XVI, procura num bosque alemão cúmplices para o seu proselitismo. Impõe o seu programa de libertinagem, força a liberdade dos corpos. Isto é: estão perdidos entre a dádiva e a arbitrariedade. E querendo raptar noviças...