Bancos emprestaram perto de mil milhões para compra de casa em Janeiro

Taxa de juro média dos novos contratos voltou a descer mais um pouco, para 1,07%.

Foto
Compra de casa continua a ser uma opção para milhares de famílias Goncalo Dias

Depois do recorde desde a crise financeira de 2008, registado em Dezembro passado, os novos empréstimos à habitação continuam a apresentar valores muito elevados, próximos de mil milhões de euros. Dados do Banco de Portugal (BdP), relativos a Janeiro, mostram que o crédito à habitação ascendeu a 977 milhões de euros, valor que no mês anterior tinha totalizado 1117 milhões de euros.

Em termos homólogos, o crescimento é muito significativo, uma vez que o montante tinha ficado em 634 milhões de euros em Janeiro de 2019. 

Já a taxa de juro média das novas operações de crédito para habitação diminuiu três pontos base para 1,07%, depois de em Novembro ter fixado um mínimo histórico em 1,05%.

No segmento do crédito ao consumo e outros fins, o ritmo de novas operações registadas no arranque do ano continuou elevado. Os empréstimos ao consumo totalizaram 460 milhões de euros, e para outros fins (saúde, educação entre outros) ascenderam a 215 milhões de euros. Neste segmento, as taxas de juro médias fixaram-se em 6,95% e em 3,80% respectivamente, valores que comparam com 6,1% e 3,9%, registados em Dezembro.

A taxa de variação anual é expressiva no crédito a particulares com as finalidades de consumo e outros fins, ascendendo a 8,3%, valor acima dos 7,7% registados em Dezembro.

Recorde-se que o ritmo elevado de concessão de crédito ao consumo levou o BdP a estabelecer novas regras, para impedir um endividamento excessivo das famílias.

Os depósitos de particulares totalizavam 151,2 mil milhões de euros no final de Janeiro. A taxa de variação anual foi de 4,2%, mais 0,5 pontos base do que o observado em Dezembro.

O valor médio da taxa de juro dos novos depósitos até um ano foi de 0,07%, sem alteração face a Dezembro.