Coronavírus: RTP, SIC e TVI sem público em estúdio, teatros e museus fechados, festivais e concertos adiados

De um dia para o outro, autarquias e instituições culturais do país tiveram de repensar a agenda das próximas semanas. Para já, o grosso dos cancelamentos e adiamentos está afectar apenas os eventos programados até ao início de Abril. Lá fora, vários artistas suspenderam as suas digressões internacionais.

Foto
Gravações do programa da RTP Acha que sabe mais do que um miúdo de dez anos? rui gaudêncio

As recomendações de segunda-feira da Direcção-Geral de Saúde (DGS) sobre espectáculos e eventos culturais em Portugal estão a ter um efeito dominó: as Câmaras de Lisboa e do Porto vão encerrar os teatros e museus municipais, o festival Talkfest foi adiado para Outubro, Tony Carreira adiou o seu concerto de sábado na Altice Arena e a Gulbenkian suspendeu os próximos concertos da temporada Gulbenkian Música. Festa do Cinema Italiano e a Monstra adiaram as edições que arrancariam a 1 de Abril e a 18 de Março, respectivamente. Vários festivais e eventos estão a avaliar o seu futuro, como é o caso do Tremor, nos Açores. Os programas diurnos da RTP, SIC e TVI deixarão de ter público em estúdio. A Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC) decidirá após a reunião do Conselho Nacional de Saúde Pública, na quarta-feira, o que sucederá nos monumentos, palácios e museus nacionais; dessa reunião deverão sair também orientações para os teatros tutelados pelo Ministério da Cultura.

Uma das primeiras baixas anunciadas esta terça-feira afectou o concerto de regresso de Tony Carreira, cujo adiamento foi anunciado pelo cantor nas redes sociais. Ainda de manhã, também a Câmara do Porto veio informar que ficavam suspensos “todos os eventos promovidos pelo município, abertos ou contendo públicos externos ao universo municipal, o que inclui espectáculos em equipamentos municipais como o Teatro Municipal ou a Galeria Municipal”. Os museus e as bibliotecas municipais vão também encerrar.

Horas depois, também a Câmara de Lisboa decretou o encerramento dos seus museus, galerias, teatros e bibliotecas, assim como o fecho do Padrão dos Descobrimentos e do Cinema São Jorge. “Estas medidas”, precisou a autarquia em comunicado, “estão sujeitas a avaliação permanente, definindo-se para já a sua vigência a partir de [quarta-feira] dia 11 de Março, e até ao próximo dia 3 de Abril”.

Já os monumentos e parques geridos pela Parques de Sintra – Monte da Lua vão manter-se abertos, mas eventos culturais como o ciclo Serões Musicais (concertos às sextas e sábados de Março) e a Celebração do Dia da Música Antiga (dia 21) não se realizarão.

Os canais RTP, SIC e TVI anunciaram também que os seus programas diurnos deixarão de ter público em estúdio já a partir de quarta-feira, dia 11. São abrangidos Praça da Alegria e A Nossa Tarde (RTP1), O Programa da Cristina e Júlia (SIC) e Você na TV e A Tarde é Sua (TVI). 

Já à noite, o festival MIL –Lisbon International Music Network, que deveria realizar-se entre os próximos dias 25 e 27, veio também oficializar que não realizará a sua edição de 2020. “Na sequência das directrizes estabelecidas pela Direcção-Geral de Saúde no plano nacional de contingência para o coronavírus, é com grande tristeza que informamos que a quarta edição do MIL será cancelada. Não temos palavras para agradecer a todos os artistas, salas de espectáculo e parceiros institucionais, internacionais, media e de produção que trabalharam connosco de forma incansável para fazer desta uma edição memorável”, lê-se no comunicado distribuído pela organização. ​

A Festa do Cinema Italiano, que decorreria entre 1 e 8 de Abril, anunciou pela tarde, em comunicado, que “não irá realizar a sua 13.ª edição”, que decorreria entre Lisboa, Porto, Almada, Cascais, Setúbal, Penafiel, Alverca do Ribatejo, Coimbra, Viseu, Beja, Tomar, Évora, Caldas da Rainha e Loulé. A festa está “adiada para uma data a anunciar em breve”. O Festival de Animação de Lisboa — Monstra (18 a 29 de Março em várias salas de Lisboa), por sua vez, foi adiado “e provavelmente vai ser realizado noutros moldes”, disse à agência Lusa fonte da organização.

Adiada para Outubro ficou também a ópera A Valquíria, de Richard Wagner, uma co-produção do Centro Cultural de Belém (CCB)e do Teatro Nacional de São Carlos. Com estreia marcada para quinta-feira e outra récita no domingo, o espectáculo fica agora agendado para os dias 22 e 25 de Outubro. A récita que teria lugar no Coliseu do Porto no próximo dia 21 foi também adiada para data a anunciar oportunamente. O CCB não alterou até ao momento mais nenhum espectáculo da sua programação, mas poderá fazê-lo após a reunião do Conselho Nacional de Saúde Pública.

Também o Teatro Nacional São João, no Porto, cancelou as duas apresentações do espectáculo The Scarlett Letter, da espanhola Angélica Liddell, que estavam previstas para quinta e sexta-feira, dias 13 e 14. “Esta decisão decorre da situação de saúde pública que se vive presencialmente em Itália, de onde provinham alguns elementos da equipa artística, e que criou constrangimentos ao nível dos transportes aéreos em várias regiões do país”, anunciou a instituição em comunicado. Os espectadores com bilhetes para o espectáculo poderão pedir o reembolso dos ingressos ou trocá-los por bilhetes para outro evento da programação do teatro.

Ainda no Porto, a Livraria Lello decidiu esta terça-feira adiar, “como medida preventiva”, a inauguração da exposição O Triângulo de Camilo, cuja peça central é o manuscrito da novela Amor de Perdição. Prevista para 16 de Março, de modo a coincidir com a data de nascimento de Camilo Castelo Branco, a exposição abrirá afinal “assim que estejam reunidas as condições”, em data ainda por determinar.

A Universidade de Évora cancelou até dia 30 as visitas turísticas ao Colégio do Espírito Santo e ao Centro Interactivo de Arqueologia e o Festival Internacional de Cinema e Literatura de Olhão, que incluía uma retrospectiva do trabalho de Albert Serra, foi adiado para data a anunciar. O Festival Regards Croisés Portugal, que arrancaria em Vila Nova de Gaia já dia 13 e se prolongaria até dia 15 no Auditório Municipal de Gaia e no Armazém 22, foi adiado para datas a anunciar em breve. 

Também o Talkfest, fórum internacional de festivais de música que teria lugar no ISCTE, em Lisboa, anunciou esta terça-feira o seu adiamento para Outubro. Com início marcado para 11 de Março, estendendo-se até dia 14, decorrerá agora de 15 a 17 desse mês. O director, Ricardo Bramão, justifica o adiamento com o “alarme social” motivado pelo covid-19, que se sentia também “entre a equipa” do festival. O Talkfest preparava-se para receber vários conferencistas e agentes do meio vindos de diferentes países, alguns deles, como França e Espanha, entre os “mais afectados” pelo vírus. 

Apesar de não se terem registado “cancelamentos de oradores ou de empresas associadas ao evento”, Ricardo Bramão afirma que “nesta fase” a organização sentiu “que não faria sentido o evento decorrer”: “Depois de nove meses de trabalho, é uma decisão que nos custa, mas não queremos pôr ninguém em risco”, justifica, apontando, porém, a falta de “um guia de boas práticas” por parte das autoridades portuguesas. “Não temos a informação toda do nosso lado. Porquê [a recomendação para cancelar eventos que reúnam] cinco mil pessoas em espaço aberto? Porquê mil em recinto fechado? Nós decidimos adiar o evento por nossa conta e risco, ninguém nos mandou fazê-lo. Não sabemos quais são as normas”, afirma. “Racionalmente, fizemos o que achámos mais indicado, porque sentimos que os próximos dias seriam terríveis. Em Outubro, certamente que se fará [o Talkfest] com maior entusiasmo.”

Entretanto, o grupo Porto Editora suspendeu as actividades públicas até ao final deste mês, incluindo “dezenas de visitas de escritores a escolas”, indica a Lusa, as provas distritais da segunda fase do Campeonato Nacional de Literacia 3Di, assim como as visitas de escolas à Unidade Gráfica da Maia. A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria adiou também o seu piquenique musical de dia 21 em Serpins. O Monção município suspendeu entretanto as actividades culturais relacionadas com autarquia, como a programação do Cine Teatro João Verde, já a partir de dia 11. Também o Cineclube do Porto cancelou toda a programação deste mês. A Casa das Artes de Famalicão fez o mesmo e reembolsará os espectadores que tenham bilhetes para Março.

Museus e monumentos aguardam directivas

Está em aberto o que sucederá com o funcionamento dos museus e monumentos nacionais, com fonte oficial da DGPC a indicar ao PÚBLICO que se aguarda “uma decisão da direcção”. Entretanto, a DGPC deu sim instruções para que os organismos que tutela suspendam as actividades como seminários ou eventos paralelos nas suas instalações, o que abrangeu já a Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves, o Museu Nacional dos Coches, o Museu Nacional de Arte Antiga ou o Mosteiro dos Jerónimos, todos em Lisboa, e ainda o Museu Nacional Grão Vasco, em Viseu, ou o Convento de Cristo, em Tomar, detalha a agência Lusa.

Até decisão do director-geral do Património Cultural e da tutela, os museus e monumentos nacionais mantêm-se abertos ao público. A DGPC distribuiu recentemente pelos organismos sob a sua tutela um plano de contingência que visa gerir os riscos de infecção e do qual constam recomendações de higiene, definições de áreas de isolamento e em que se admite a possibilidade de “abrandar ou mesmo parar por um período a definir” o trabalho dos seus colaboradores. 

No caso de encontros iminentes, como é o do festival de valorização da música contemporânea MIL (25 a 27 de Março), o seu director, Gonçalo Riscado, disse na manhã desta terça-feira ao PÚBLICO que embora o festival não tenha concertos ou conferências que por si só reúnam mil pessoas, no seu conjunto recebe um grande número de participantes — “temos uma forte componente de artistas de vários países”, disse, aguardando esclarecimentos da DGS e de parceiros como a Direcção-Geral das Artes e a Câmara de Lisboa. 

Já o Hard Club, sala de concertos portuense onde foi confirmada a presença na sexta-feira de uma pessoa que sofre de covid-19 e colocou em quarentena os funcionários que com ela terão contactado, vai manter a sua programação até indicação em contrário ou acção de promotores e bandas. A Casa da Música vai também manter a sua programação no Porto e as visitas guiadas ao edifício.

O PÚBLICO contactou promotoras de espectáculos, organizadores de festivais, reguladores e institutos responsáveis pelos vários subsectores da Cultura sobre o impacto da recomendação que, na segunda-feira à noite, indicou que os eventos em espaços abertos com mais de cinco mil pessoas e de eventos à porta fechada com mais de mil pessoas sejam suspensos.

Já em vigor estava a suspensão de eventos que reúnam mais de 150 pessoas nos concelhos onde há clusters identificados de covid-19, como Felgueiras e Lousada. A maior parte dos responsáveis está a analisar a situação e alguns indicam aguardar esclarecimentos da DGS. É o que acontece, por exemplo, com o festival I-D No Limits que se realiza entre 3 e 4 de Abril, no Centro de Congressos do Estoril. Salas de espectáculos como o Coliseu dos Recreios, o Tivoli, o Capitólio ou o Centro Cultural de Belém, em Lisboa, também se encontram na expectativa, ainda não tendo decidido o que fazer, entre cancelar, adiar ou realizar os espectáculos para ali previstos. 

Luís Banzeres, da organização do Festival Tremor, nos Açores, que se encontra esgotado e que se realiza entre 31 de Março e 4 de Abril, na Ilha de São Miguel, disse esta terça-feira ao PÚBLICO que a organização tem até agora cumprido todas “as directivas da DGS”. Esta terça-feira, foi enviada uma carta a esta entidade e ao Governo mostrando “preocupação com a situação e solicitando uma directiva sobre o que fazer em relação ao festival, dado que todos os procedimentos têm sido cumpridos”. “Se nos disserem que temos de cancelar é o que faremos”, garante Luís Banzeres, acrescentando que outros organizadores de espectáculos estarão a proceder de forma semelhante. Há “um ambiente de preocupação” na ilha de São Miguel, admite: “É algo que se sente nas ruas.” 

A sétima edição do FITA – Festival Internacional de Teatro do Alentejo, que reúne 14 municípios do Alentejo, deverá começar na próxima quinta-feira 12. Da programação do FITA 2020 constam 19 companhias artísticas provenientes de 11 países — nomeadamente Espanha, Argentina, Brasil, Costa Rica, Cuba, México, Colômbia, Moçambique, Uruguai e Chile, além de companhias nacionais. Contactado pelo PÚBLICO, o seu director artístico, António Marques Revez, diz que a organização não irá cancelar espectáculos mas “os municípios parceiros irão avaliar caso a caso. Foi o que aconteceu com Almodôvar: pela sua proximidade a Portimão, onde se verificaram casos de infecção por covid-19, suspenderam a participação”. 

O PÚBLICO aguarda também respostas da DGS sobre que tipos de recintos de espectáculos estão abrangidos, como se aplicarão regras específicas para cinemas ou teatros, e sobre a margem que os organizadores têm para seguir ou não estas recomendações, bem como a que entidades caberá a fiscalização do seu cumprimento. A DGS criou uma linha de contacto para que os responsáveis pelos eventos possam pedir esclarecimentos. A Nos, a maior exibidora portuguesa, disse à Lusa que os seus cinemas continuam “a funcionar dentro da normalidade estando a ser, naturalmente, acauteladas todas as medidas de higiene e segurança”.

Sendo que as medidas agora anunciadas vigoram até 3 de Abril, estão em causa eventos pré-agendados como os vários concertos em salas pelo país com capacidade igual ou superior a mil pessoas, como é o caso dos Anathema, já dia 11 no Capitólio, em Lisboa, ou dos Toy Dolls, dias 20 e 21 no Hard Club, no Porto, ou de Ana Carolina no Pavilhão Multiusos de Guimarães a 2 e 3 de Abril, entre muitos outros. Entretanto, os concertos dos Cock Robin previstos para sexta-feira e sábado, em Lisboa e no Porto, respectivamente, foram adiados para Outubro, como forma de prevenção do novo Coronavírus (Covid-19), divulgou a promotora. A banda actuará no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, a 30 de Outubro, e um dia depois no Coliseu do Porto.

Digressões de Madonna, Pearl Jam e Neil Young afectadas

Enquanto os promotores e salas portuguesas avaliam as recomendações de segunda-feira da Direcção-Geral de Saúde sobre espectáculos e eventos culturais para tentar conter a progressão do surto de coronavírus, internacionalmente os cancelamentos continuam a suceder-se. A digressão de Madonna foi encurtada, os Pearl Jam adiaram a sua digressão da América do Norte, Neil Young suspendeu a organização de uma tour e Miley Cyrus cancelou um concerto na Austrália. Entretanto, aguarda-se a confirmação de que um dos maiores e mais mediáticos festivais do mundo, Coachella, será adiado.

Na Europa, a digressão Madame X de Madonna perdeu os seus dois últimos concertos, agendados para Paris — um deles para a noite desta terça-feira e o outro para dia 11. “Na sequência da notificação oficial do Gabinete de Polícia desta manhã proibindo todos os eventos com mais de mil pessoa, a Live Nation lamenta anunciar que os dois últimos concertos da tour Madame X já reagendados para 10 e 11 de Março terão forçosamente de ser cancelados”, diz a promotora dos concertos da rainha da pop em comunicado. Tal como tem sido hábito nestas circunstâncias, as empresas disponibilizam o reembolso do preço dos bilhetes aos seus clientes. Em França há mais de 1200 casos e 19 mortes devido ao coronavírus.

Nos EUA, a banda rock Pearl Jam anunciou na madrugada desta terça-feira que vai adiar a primeira parte da sua digressão dedicada à promoção do novo álbum Gigaton, a editar a 27 de Março. “Infelizmente, juntar pessoas em grandes números é uma enorme parte do que fazemos como banda, e a digressão que estamos a preparar afincadamente há meses está agora em perigo”, indica o comunicado da banda criada na década de 1990. “A primeira parte da digressão PJ/Gigaton vai ter de ser adiada e os concertos serão reagendados para uma data mais tarde”, explicam, aproveitando a ocasião para reconhecer os fãs que viajam mundo fora para os acompanhar e lamentar a falta de “mensagens claras do Departamento de Saúde dos EUA”, o que os leva a crer que a crise sanitária levará tempo a ser ultrapassada.

A digressão pela América do Norte começaria dia 18 em Toronto, no Canadá, e findaria em Oakland a 19 de Abril. A banda não menciona a etapa europeia da digressão (que não passa por Portugal), que começa a 23 de Junho na Alemanha e passa por Itália e França, por exemplo, onde há já restrições semelhantes às recomendadas para Portugal sobre eventos com mais de mil pessoas em recintos fechados. Os EUA contam com mais de 700 casos e 22 mortes pelo novo vírus. Neil Young estava prestes a anunciar uma digressão com os Crazy Horse mas considera a ideia “questionável” e manifestou-se atento às circunstâncias.

Também a estrela pop Miley Cyrus está fora do seu compromisso de encabeçar um concerto de beneficência na Austrália já na sexta-feira dia 13. “Estou tão desiludida por não poder estar aí, mas tenho de fazer o que é correcto para proteger a saúde e segurança da minha banda e equipa”, disse, prometendo regressar em breve ao país. Todos estes nomes juntam-se aos dos Queen, BTS, Green Day ou Mariah Carey que já adiaram actuações nos últimos dias, todos mais focados em concertos fora dos EUA, e sobretudo na Ásia.

O Festival South by Southwest cancelou a sua edição 2020, que arrancaria já este mês, e há a expectativa de que Coachella anuncie nas próximas horas que a sua muito aguardada edição deste ano, contando com o regresso dos Rage Against the Machine, já não deve arrancar em Abril para receber as habituais enchentes de 250 mil pessoas, mas sim ser adiado, escrevem as revistas Variety e Billboard, para Outubro.

No Reino Unido ou Portugal não há notícia de cancelamento dos grandes festivais de Verão, que só arrancam em Junho com o Primavera Sound, no Porto, e Rock in Rio, em Lisboa. Com Isabel Salema, Mário Lopes e Vítor Belanciano

Descarregue a app do PÚBLICO, subscreva as nossas notificações e esteja a par da evolução do novo coronavírus.

https://www.publico.pt/apps

Sugerir correcção