Itália passa a segundo país com mais casos a seguir à China

Governo italiano toma medida drástica num fim-de-semana com mais 133 mortos. País já é o mais afectado do mundo a seguir à China. Espanha teve um aumento de 20% no número de casos confirmados de sábado para domingo. Comissão Europeia manda quase 50 ficarem em casa depois de dois casos infectados.

Foto
Um agente dos carabinieri controlando uma viatura na área de Casalpusterlengo, no Norte de Itália MATTEO CORNER/EPA

No dia em que o Governo italiano resolveu colocar uma parte do seu território em isolamento, a Itália passou a ser o segundo país do mundo com o maior número de casos, ao mesmo tempo que o número de mortes por causa do coronavírus passou de 233 para 366. Em 24 horas, registou-se uma subida de 57% no número de mortos e os casos confirmados de doentes com covid-19 estão agora nos 7375, quando antes eram 5883.

O ritmo elevado de disseminação da doença obrigou o executivo de Giuseppe Conte a medidas drásticas, colocando quase 16 milhões de pessoas (um quarto da população italiana) em quarentena, no norte do país.

PÚBLICO -
Aumentar

Toda a região da Lombardia (incluindo Milão, a capital económica de Itália), onde morreram já 257 pessoas (113 em apenas 24 horas), está isolada, bem como a região de Veneza, o norte da Emília-Romanha e a cidade de Rimini, bem como a província de Pésaro e Urbino e o leste do Piemonte.

A medida foi anunciada pelo primeiro-ministro italiano na madrugada deste domingo. “Estamos perante uma emergência”, uma “emergência nacional”, afirmou Giuseppe Conte, acrescentando que o decreto tem de ser aplicado rigorosamente de modo a conseguir conter a contaminação pelo coronavírus.

As pessoas que estão temporariamente nas zonas afectadas, nomeadamente os turistas, serão autorizados a regressar a casa e as fronteiras com a Áustria, Eslovénia e Suíça vão manter-se abertas. No entanto, a Alitalia suspendeu todos os seus voos nacionais e internacionais de e para o aeroporto Milão-Malpensa.

No sábado, já a informação de que o Governo se preparava para fechar parte do Norte de Itália até 3 de Abril tinha chegado ao Corriere della Sera, que deu conta da informação, levando milhares de pessoas a tentarem rumar ao Sul antes do isolamento, enchendo as estações de comboio e as auto-estradas.

Michele Emiliano, o presidente da região da Apúlia, no sul do país, chegou a pedir às pessoas que voltem para o Norte: “Saiam na primeira estação de comboios. Não apanhem aviões para Bari e Brindisi. Dêem a volta aos vossos carros, desçam dos autocarros na próxima paragem”.

“O que se passou foi que a fuga de informação levou muitas pessoas a tentarem escapar, provocando o efeito contrário daquilo que o decreto pretende conseguir”, disse o especialista em microbiologia e virologia Roberto Burioni, citado pelo Guardian. “Infelizmente alguns dos que fugiram estarão infectados com a doença”, acrescentou o professor da Universidade Vita-Salute San Raffaele, em Milão.

A decisão do Governo italiano foi, no entanto, elogiada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que manifestou a sua “solidariedade” e o seu apoio. Para o director-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, Itália deu “passos arrojados e corajosos destinados a diminuir a disseminação do coronavírus” e a “proteger o país”. Sublinhando “os sacrifícios genuínos” que o país está a fazer para conter a epidemia.

Para o chanceler austríaco, Sebastian Kurz, esta medida drástica adoptada por Itália acabará por ser seguida por outros países, resta saber quando: “Podem fechar-se escolas durante uma ou duas semanas e isto é urgentemente necessário em Itália. Irá acontecer em outros países europeus. A questão importante é saber quando o fazer.” E onde o discutir a nível europeu em segurança, porque na Bélgica já há 200 casos confirmados de covid-19, incluindo dois na Comissão Europeia – a quase meia centena das três mil pessoas que trabalham na organização das reuniões ministeriais e nas cimeiras da União Europeia foi pedido que fiquem em casa.

O ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, recomendou este domingo, que todos os eventos públicos com mais de mil pessoas sejam cancelados. Embora o ministro não tenha poderes para obrigar os organizadores a fazê-lo directamente, espera que os governos dos diversos estados aceitem a recomendação.

PÚBLICO -
Aumentar

Quem não aceitará é a Bundesliga, que vai manter o calendário da primeira e segunda divisões de futebol inalterável. Mas Christian Seifert, director-geral da Liga Alemã de Futebol, adiantou que vai marcar uma reunião de emergências com os clubes para os próximos dias.

Em declarações à rádio francesa, o comissário da União Europeia para o mercado único, Thierry Breton, explicou que cada país europeu está a “agir em função dos últimos dados disponíveis nos seus países” e, “como o vírus se espalhou mais depressa nuns lados que noutros, naturalmente as medidas diferem de uns para outros”. A França já é o quinto país com mais casos confirmados – 1126, que resultaram em 19 mortes. Nos departamentos do Alto Reno e Esa, as escolas e os jardins infantis foram encerrados.

Também a Espanha viu uma subida acentuada de casos, com mais 173 casos de sábado para domingo, um crescimento de 20% em apenas 24 horas, passando agora um registo de 613 pessoas infectadas, das quais 17 morreram (com um aumento foi de 70%).

No Vaticano, que também já registou o seu primeiro caso confirmado, o papa Francisco, obrigado a falar aos fiéis, na sua habitual oração de domingo, através de um vídeo transmitido ao vivo pelo site Vatican News, mostrou a sua solidariedade com os infectados italianos e fora do país: “É uma oração estranha do Ângelus, com um papa enjaulado na biblioteca, mas estou a vê-los e estou próximo de vocês”.

Primeira morte na América Latina

Entretanto, um homem de 64 anos, que morreu este fim-de-semana na Argentina, tornou-se a primeira vítima mortal da epidemia na América Latina. Ao mesmo tempo que Colômbia e Costa Rica anunciavam os seus primeiros casos confirmados de coronavírus.

Ao mesmo tempo, o Irão registava este domingo o maior número de mortes em 24 horas, com 49 pessoas a não sobreviver à infecção, aumentando para 194 as mortes desde o início da epidemia (terceiro país com mais mortos).

Os Estados Unidos começaram a registar as suas primeiras vítimas na Costa Leste. Até agora, a epidemia, que já chegou a 30 estados do país, ainda não se tinha espalhado de costa a costa, mas a morte de duas pessoas na Flórida, este domingo, marca as primeiras vítimas mortais no lado oriental do país, levando Nova Iorque a decretar o estado de emergência.

Descarregue a app do PÚBLICO, subscreva as nossas notificações e esteja a par da evolução do novo coronavírus.

https://www.publico.pt/apps

Sugerir correcção