Pick-up destrói estátua sagrada da Ilha da Páscoa

Um dano “incalculável” numa das misteriosas estátuas milenares, Património da Humanidade, íman turístico de Rapa Nui. Autoridades da ilha querem mais protecção e restrições a veículos.

,Ahu Akivi
Fotogaleria
Os moai da Ilha da Páscoa Reuters
Fotogaleria
Os moai da Ilha da Páscoa Reuters
,Estátua
Fotogaleria
Os moai da Ilha da Páscoa Reuters
Moai
Fotogaleria
Os moai da Ilha da Páscoa Reuters
,Ahu Nau Nau
Fotogaleria
Os moai da Ilha da Páscoa Reuters
,Ahu Tongariki
Fotogaleria
,Moai
Fotogaleria
Os moai da Ilha da Páscoa Reuters
,Estátua
Fotogaleria
Os moai da Ilha da Páscoa Reuters
,Estátua
Fotogaleria
Os moai da Ilha da Páscoa Reuters
O Museu Britânico
Fotogaleria
Os moai da Ilha da Páscoa Reuters
,Moai
Fotogaleria
Os moai da Ilha da Páscoa Reuters

“O dano é incalculável”, diz o presidente da Comunidade Ma'u Henua, Camilo Rapu, encarregado do cuidado e conservação das estátuas e dos sítios arqueológicos da Ilha da Páscoa, a propósito do acidente que levou à destruição de um destes misteriosos e icónicos monumentos, declarados Património da Humanidade pela UNESCO, e ao encerramento temporário do local.

O acidente aconteceu no passado domingo: um turista chileno terá deixado o seu veículo deslizar e este foi embater numa plataforma com um moai (a designação das estátuas), provocando danos na estrutura milenar e destruindo uma estátua.

O homem foi detido após o evento. Inicialmente, Camilo Rapu, que denunciou o acontecido de imediato, chegou a acusar o homem de ter actuado “intencionalmente”. Mas, ao que tudo indica, porém, tudo terá sido provocado por uma falha no travão de mão.

“Lamentamos o sucedido”, escreve-se no Facebook da Comunidade Ma'u Henua, “no sector de Pu a Pau, onde uma pick-up foi contra um dos nossos ahu [a designação de cada santuário], danificando gravemente a estrutura que incluía um moai”. “Reiteramos a importância de cuidar do património que temos no parque. Porque não são só elementos sagrados para uma cultura viva”, sublinham, “são elementos sagrados para uma cultura viva e fundamentais na nossa cosmovisão Rapa Nui [o nome oficial e original da ilha]”. 

Ao longo da semana, as autoridades locais e nacionais tomaram uma posição mais assertiva de defesa destes monumentos, conhecidos em todo o mundo pelo seu mistério — e verdadeiros ímanes de atracção turística à ilha. O presidente da câmara da ilha, Pedro Paoa, disse à CNN Chile que após este acontecimento iria voltar a defender medidas mais restritivas para a circulação local de veículos

Naturalmente, não é apenas o turismo ou só a monumentalidade que estão em causa. “Como se sabe, os moai são estruturas sagradas de valor religioso para o povo Rapa Nui”, sublinha Camilo Rapu ao jornal chileno El Día. “Um acto desta natureza não é só repudiável, é uma ofensa a uma cultura viva que nos últimos anos tem lutado por recuperar todo o seu património histórico e arqueológico”. “Fazemos um apelo urgente aos legisladores e autoridades para que revejam o quadro legal que protege o património histórico e cultural dos povos originários”.

A polícia confirmou entretanto que o homem é um residente da ilha, tendo mudado da parte continental chilena para Rapa Nui há 12 anos. A pick-up​, acrescentam, andaria com problemas no travão de mão e o homem, depois de estacionar no declive, teria colocado uma pedra a travar o pneu da frente, por precaução. Quando quis sair, explica o chefe da Brigada de Investigação Criminal, Jorge Fuentes Sierra, à rádio chilena Cooperativa, retirou a pedra e o veículo começou de imediato a deslizar até embater no ahu, subindo a plataforma e provocando um dano irreparável”. 

Mas esta nem é a primeira vez que um evento similar, embora com menos danos, ocorre, como recorda o canal Chilevisión: em 2008, um turista finlandês destruiu a orelha de um moai, acabando por pedir desculpa e pagar uma multa (cerca de 15 mil euros). Em 2018, uma turista chilena, menor, pôs-se em cima de um dos monumentos para tirar fotos, danificando-o (multa: simbólica, 500 euros, com interdição de pôr os pés na ilha durante dois anos). E em Janeiro passado até houve um escândalo por um acto de menor perigo, mas ainda assim desrespeitoso e absolutamente proibido: um visitante decidiu abraçar um moai para a sua foto turística. Lembra o município: “os moai não se tocam!”

Sugerir correcção