Em Dia Europeu da Terapia da Fala, especialistas alertam para a importância do diagnóstico precoce

O diagnóstico de perturbações da leitura e da escrita só é feito após o início do primeiro ciclo, mas os terapeutas da fala defendem que se deve estar atento aos sinais desde cedo.

,Caneta
Foto
“As perturbações da leitura e escrita comprometem todo o processo de aprendizagem" Angelina Litvin/Unsplash

Se para alguns a aprendizagem de ler e escrever faz-se quase de forma intuitiva, para outros representa um processo complexo, muitas vezes fruto de um défice na linguagem. É nesta altura que a terapia da fala pode fazer a diferença e, para chamar a atenção para a importância desta área, assinala-se esta sexta-feira, 6 de Março, o Dia Europeu da Terapia da Fala. Uma data que serve para promover o debate sobre as perturbações da leitura e da escrita que, segundo a Associação Portuguesa de Terapeutas da Fala, afecta em torno de 5% da população em idade escolar.

Segundo a mesma associação, “as perturbações da leitura e escrita comprometem todo o processo de aprendizagem e interferem com o sucesso escolar da criança”, mas não só. Este tipo de quadro clínico de Perturbação Específica da Aprendizagem, que representa um desequilíbrio no neurodesenvolvimento, acaba por interferir com toda a existência da mesma que, frequentemente, apresenta “vergonha, baixa auto-estima e confiança reduzidas e pouca motivação para as aprendizagens escolares”.

Por tudo isto, a Associação Portuguesa de Terapeutas da Fala chama a atenção para a importância do diagnóstico precoce, sendo este “fundamental”, sobretudo quando se percebe que a criança não consegue acompanhar o ritmo padrão da aprendizagem da leitura e da escrita. “O terapeuta da fala tem um papel preponderante na avaliação, diagnóstico diferencial e intervenção destas perturbações”, desenvolvendo “a sua intervenção em colaboração com os educadores e professores, outros profissionais de saúde e as famílias”, explica o mesmo organismo.

O diagnóstico de perturbações da leitura e da escrita só é feito após o início do primeiro ciclo. No entanto, os terapeutas da fala apontam para sinais que podem ser de alerta e que, quando identificados, poderão justificar uma avaliação ainda antes daquela fase. Entre os sinais estão o atraso na aquisição da linguagem oral, que não se refere à emissão de sons nem à reprodução de palavras, mas à verbalização, sendo expectável que uma criança até aos cinco anos consiga articular frases completas. Nesta idade, a dificuldade na produção dos sons, que resulta na persistência do “falar à bebé”, é outro sinal a que pais e educadores devem estar atentos.

PÚBLICO -

Perceber de que forma se processa a memória também pode ajudar a um entendimento das dificuldades das crianças. Isto torna-se evidente, por exemplo, quando se observa dificuldade em aprender os nomes de cores, de pessoas, de objectos, de lugares, levando os petizes a substituir os mesmos por expressões como “isto”, “aquilo”, “a coisa que serve para”… As canções e as lengalengas também podem ajudar a perceber de que forma a criança consegue captar e registar a informação.

Já na escola, o aluno irá revelar “dificuldade em perceber que as frases são formadas por palavras e que as palavras se podem segmentar em sílabas”, facto que, quando observado, deverá servir de alerta ao professor. Outros problemas podem passar por não conseguir associar as letras aos seus sons, por ler muito devagar e sem expressividade, não entender problemas matemáticos, revelando dificuldade na interpretação, ou dar muitos erros na escrita e de forma constante. E se a criança se recusar a fazer tarefas relacionadas com a leitura e a escrita, isso não significa que seja preguiça. Aliás, sublinha a associação, raramente o é.

Sugerir correcção