O vírus travou Genebra, mas as novidades estrearam-se à mesma

O novo coronavírus ditou o cancelamento do Salão Automóvel de Genebra, mas não desanimou a indústria. E as revelações ganharam um novo palco: a Internet.

Fotogaleria
O desportivo A3 da Audi foi testado na ilha de São Miguel, nos Açores DR
Fotogaleria
Aston Martin Vantage Roadster DR
Fotogaleria
O novo modelo da alemã BMW, o M340d DR
Fotogaleria
O primeiro Golf GTI da Volkwagen foi apresentado há 45 anos. Este ano, seria apresentada a versão da 8º geração DR
Fotogaleria
Mercedes-Benz VisionAVTR, o protótipo "inspirado pelo futuro" DR
Fotogaleria
O novo Hyundai i30, "para todos os que estão mais à frente" DR
Fotogaleria
A Kia preparava-se para revelar uma nova geração do Sorento DR
Fotogaleria
A Seat tinha preparada a apresentação de uma nova geração do seu modelo familiar Leon DR
Fotogaleria
O pequeno Toyota Yaris era para ser estrela no stand da marca nipónica DR
Fotogaleria
O desportivo Honda Civic Type R beneficia este ano de um facelift DR
Fotogaleria
O DS 9 é o novo topo de gama da marca premium do grupo PSA DR
Fotogaleria
O concept Polestar Precept DR
Fotogaleria
A Fiat iria apresentar a versão eléctrica do icónico Fiat 500 DR
Fotogaleria
BMW Concept i4 DR

A apenas três dias da abertura de portas do Salão Automóvel de Genebra, o Governo suíço, devido à propagação do surto por covid-19, emitiu uma ordem de cancelamento de todos os eventos com mais de mil pessoas e impediu que o certame se realizasse — um cenário que não acontecia desde a Segunda Guerra Mundial. E o facto surge numa altura em que cada vez mais gente na indústria questiona o interesse (e retorno…) deste tipo de iniciativa.

A descontinuidade do salão é algo que deve preocupar a Suíça — afinal, ao longo de 15 dias, estima-se que a feira automóvel gere entre 200 e 250 milhões de francos suíços (188 e 235 milhões de euros), avança a AP, que representam não só os gastos directos no espaço expositivo, mas todos os que são efectuados em torno do mesmo, na hotelaria, restauração, eventos, etc. Mas, depois da decisão que cancelou a edição de 2020, a 90.ª em 105 anos de história, há mesmo quem, em tom fatídico, vaticine que este foi o último salão – e que nem chegou a ser.

Até porque, mesmo sem feira, as novidades estão aí, reveladas sobretudo em conferências de imprensa em live streaming e com o sector e os amantes das quatro rodas a vibrarem mesmo ao longe. Claro que quando se trata de modelos únicos ou muito exclusivos, Genebra era uma oportunidade para ver de perto o que passa ao largo da vida da maioria dos mortais: bólides com mais potência do que alguma vez se conseguirá usar, como seria o caso dos Koenigsegg Gemera e ​Jesko Absolut (o último, com 1600cv); extravagâncias em luxos quase pecaminosos, como no Bentley Bacalar, de produção limitada a duas unidades e que chegará ao mercado por qualquer coisa como 1,7 milhões de euros (sem impostos nem encargos…); sonhos retro, como o delicado Morgan Plus Four; e ideias em forma de protótipos, que tentam, a cada ano, adivinhar o futuro.

PÚBLICO -
Foto
Koenigsegg Gemera DR

Num plano mais terreno, Genebra seria este ano pródigo em novidades, ainda que muitos emblemas tivessem optado pela ausência muito antes de haver qualquer sugestão de surto epidemiológico: casos das marcas do grupo PSA Citröen, Opel e Peugeot, da Nissan e da Mitsubishi da Aliança Renault, da Ford, da Volvo, da Jaguar e da Land Rover, da Lamborghini ou da Tesla.

Por outro lado, a Hyundai tinha planeado um regresso apoteótico, com duas relevantes novidades, que já mostrou ao mundo: a próxima geração do utilitário i20, que marca também uma reviravolta na linguagem de design da marca sul-coreana, e o facelift do compacto familiar i30. Do mesmo grupo, a Kia avançou já com as novidades de uma nova geração do Sorento.

PÚBLICO -
Foto
Bentley Bacalar DR

Ainda entre as marcas asiáticas, a Honda anunciou, em conferência de imprensa online, a sua gama de automóveis electrificados sob o chapéu e:TECHNOLOGY, revelando ainda a estreia de um novo Jazz com tecnologia híbrida e um SUV com aquele modelo como base, o Jazz Crosstar. Para os mais afoitos, destaque para a actualização do Civic Type R.

Já as companhias alemãs, que, entretanto, depois de terem perdido Frankfurt, já sabem que Munique será o próximo local da feira germânica, não pouparam nas novidades. A Audi revelou o novo A3, que chegará com grupos propulsores diesel, gasolina e híbrido plug-in, enquanto a BMW levantou o véu sobre o protótipo eléctrico do i4 e avançou com o M340d xDrive, que será o mais potente gasóleo da gama Série 3, beneficiando de um sistema de mild-hybrid. Da Mercedes, destaque para a revelação do potente Mercedes-AMG E53 e para o crescimento da autonomia eléctrica dos híbridos de ligar à corrente CLA e GLA.

PÚBLICO -
Foto
Morgan Plus Four DR

A Volkswagen já deu informações sobre os dois modelos com que estaria em Genebra em destaque — Touareg, na versão R, e Golf, nas derivações GTI, GTD e GTE —, enquanto as suas subsidiárias Seat e Skoda exibiram as linhas gerais dos novos Leon e Octavia, respectivamente. Outro braço armado do grupo, a Porsche, fez a revelação do novel Porsche 911 Turbo S num directo no seu site.

De território francês, a Renault já mostrou ao mundo o Morphoz, o concept que planeava mostrar na feira suíça e que consiste num eléctrico que pode crescer fisicamente, adaptando a sua morfologia às necessidades do seu utilizador, enquanto a DS, que seria uma das marcas a brilhar no salão, revelou todos os detalhes sobre o luxuoso DS9, fabricado na China, com o qual pretende fazer frente aos emblemas premium alemães.

Já a Toyota, que ao longo do mês de Fevereiro registou uma quebra de 70% nas vendas na China, optou por não avançar com o que tinha previsto para Genebra, adiando a revelação de um pequeno SUV baseado no Yaris, para “as próximas semanas ou meses”.

Sugerir correcção