Sp. Braga não poupa Portimonense na estreia de Custódio

Formação minhota venceu por 3-1 e enviou mais três bolas aos ferros da baliza de Gonda. Algarvios cada vez mais comprometidos na fuga à despromoção.

Fotogaleria
LUSA/HUGO DELGADO
Fotogaleria
LUSA/HUGO DELGADO
Fotogaleria
LUSA/HUGO DELGADO
Custódio
Fotogaleria
LUSA/HUGO DELGADO

O Sp. Braga bateu esta sexta-feira o Portimonense, por 3-1, no jogo que abriu a 24.ª jornada da I Liga, disputado no Municipal de Braga, e que marcou a estreia do sucessor de Rúben Amorim, Custódio Castro, como treinador dos minhotos.

Apesar das borboletas no estômago, Custódio arriscou e promoveu o lateral-esquerdo Pedro Amador a titular (na vaga do lesionado Sequeira), respeitando o traço de Amorim, num jogo que cedo deu indicações de que o Portimonense não estragaria a estreia do novo treinador dos minhotos.

Na verdade, os algarvios não tiveram sequer tempo para a apresentação do jovem avançado iraquiano Mohanad Ali, a estrear-se no “onze” inicial depois de breves minutos frente a FC Porto e V. Setúbal.

Esmagado pela classificação e pela legião de Custódio, o Portimonense só não se vergou logo ao segundo minuto porque o ferro do poste de Gonda foi inflexível perante a investida de Ricardo Horta, a finalizar combinação com Paulinho, após solicitação de Raul Silva.

Pouco depois, o brasileiro voltava à carga, Paulinho rodava com classe e a barra estremecia. O japonês Gonda agradecia aos deuses, entrando em acção num par de lances que anunciaram o golo do Sp. Braga, por Trincão, a concluir iniciativa de Paulinho após erro crasso de Jadson (31').

Gonda ainda adiou a derrocada, mas a descrença minou as acções algarvias e Trincão encarregou-se do resto, criando a oportunidade que Raul Silva carimbou (45'), com a ajuda do VAR, sobre a linha de golo. 

Paulo Sérgio procurou, no regresso das cabinas, o golo que relançasse a discussão, mas Ricardo Horta não foi na conversa: a segunda parte abria como acabara a primeira, com novo golo em nova falha de Jadson (47').

Com 43 minutos para o fim, Custódio sabia que a vitória não escaparia, apesar da atracção de Paulinho pela barra, que evitou o descalabro. Sem alternativa, o Portimonense arriscou tudo, começou por ver um golo invalidado pelo VAR a Vaz Tê, mas ainda foi a tempo de reduzir, por Boa Morte, aos 90+4’.

O Sp. Braga aumentou assim, provisoriamente, para sete pontos a vantagem (46) sobre o Sporting (39), enquanto o Portimonense, a seis pontos da linha de salvação, arrisca-se a ficar ainda mais atrasado na luta pela sobrevivência.

Sugerir correcção