Altas patentes arriscam ser julgadas por ajustes directos no Hospital das Forças Armadas

Única mulher general em Portugal praticou várias ilegalidades quando esteve à frente da unidade de saúde, diz Tribunal de Contas. Ministério Público irá decidir se será julgada, juntamente com outros oficiais superiores.

Foto
O Hospital das Forças Armadas tem um dos seus pólos no Porto PAULO RICCA / PUBLICO

A única mulher general existente Portugal arrisca-se a ser julgada no Tribunal de Contas, por causa de ilegalidades detectadas na contratação pública enquanto esteve à frente do Hospital das Forças Armadas. A decisão de submeter ou não a médica Regina Mateus e o seu antecessor no cargo a julgamento vai caber ao Ministério Público.