Biblioteca Nacional vai receber espólio de Sophia de Mello Breyner

Martim Sousa Tavares, neto de Sophia, encontrou documentos por acaso na biblioteca da poeta. Carta a Jorge de Sena esteve escondida durante seis décadas.

Sophia de Mello Breyner Andresen
Foto
Sophia de Mello Breyner Andresen Adriano Miranda

Martim Sousa Tavares, neto de Sophia de Mello Breyner, descobriu em 2015 alguns textos inéditos escondidos na biblioteca pessoal da poeta – esses e outros textos serão agora doados à Biblioteca Nacional.

A descoberta aconteceu por acaso: enquanto folheava o livro Levantado do Chão, de José Saramago, Martim encontrou uma dedicatória “belíssima” para a poeta. A partir desse momento, depois de uma análise mais atenta, conseguiu perceber que mais de três centenas de livros possuíam dedicatórias destas, bem como poemas, cartas e traduções inéditas que serão agora doadas à Biblioteca Nacional. Aliás, este espólio foi já objecto de uma exposição no Jardim Botânico do Porto no ano passado.

A Renascença detalha o primeiro achado, a dedicatória de José Saramago, vencedor do Prémio Nobel da Literatura em 1998, à poeta. Na opinião do neto, este gesto do escritor serve para deitar por terra a ideia de que a relação entre as duas figuras da literatura não era a melhor.

“Achei aquilo engraçado, porque como eles eram os dois nomeados para o Prémio Nobel, e ele ganhou, e ela disse sempre que aquilo não lhe interessava, havia esta ideia de que eles não se davam bem e que eram dois autores completamente avessos. E aquela dedicatória deita por terra essa teoria. Eles davam-se muito bem e tinham imenso respeito [um pelo outro]”, explica Martim Sousa Tavares.

Entre os inéditos escondidos durante anos entre as páginas dos cerca de mil livros que compõem a biblioteca pessoal da poeta estão também cartas e poemas. Uma destas, dirigida a Jorge de Sena, não consta do livro publicado com a correspondência trocada entre ambos. De acordo com o neto, a carta foi “passada a limpo e provavelmente apreendida pela PIDE”, estimando-se que este documento tenha estado escondido no livro desde 1961. 

Notícia corrigida às 17h