Eles continuam os novelos que as avós começaram — com agulhas e um copo de vinho

Quatro amigos que já não conseguiam pousar as agulhas começaram a encontrar-se com quem queria relembrar o que aprendeu com as avós. Milhares de pontos e três encontros Knit and Wine depois, parece que há malhas que não se esquecem (e viciam). Afinal, “todas as mãos portuguesas têm uma ligeira queda para o tricot”.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Quem foi que, um dia, “se lembrou de dar nós em fios e fazer roupa”? A pergunta fica suspensa num gole de vinho, o copo levantado depois de pousar as duas agulhas, tirar o fio de trás do pescoço e suspirar. Percebemos agora. “O que une esta sala é a frustração”, ri-se Gonçalo Vieira, 22 anos. “Porque é que eu não estou a conseguir fazer este ponto? Isto é uma força de união. Gera conversa, risos e discussão.”

No café Temporada, no Porto, há novelos lilás, azul-marinho, damasco, amarelo, todas as anteriores e espalhados por todo o lado. Aguardam para ser trabalhados, ora por pessoas que se sentam de costas muito direitas, os pés cruzados debaixo da mesa e as mãos ainda a encontrarem-se, hesitantes, ora por outras reclinadas na cadeira, sorrisos abertos centenas de pontos coloridos depois, zero sinais de abrandar. Na mesa mais silenciosa, um rapaz e uma rapariga estão a conhecer-se, as agulhas já esquecidas no colo e os copos a esvaziarem-se. 

Foto
Paulo Pimenta

“Nós queríamos começar um convívio, estar no café com amigos a tricotar, aprender coisas novas e conversar ao mesmo tempo.” É assim que Gonçalo Vieira, escultor e artista plástico, apresenta o Knit And Wine, encontros descomprometidos para “partilhar saberes e celebrar a matéria-prima multifacetada que é lã”, organizados por Sara Brandão, Luísa Torres, Rafaela Santos e Gonçalo.

Os quatro começaram a perceber que, onde quer que fossem, levavam os novelos atrás. “Conseguíamos sentir os olhares curiosos”, conta Rafaela, a única que estudou na Escola Superior de Artes e Design (ESAD) de Matosinhos, e não na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, onde tiveram contacto (fugaz) com a técnica de malhas entrelaçadas. “Até porque não é normal entrares num café e veres pessoas a tricotar. Muitas vezes, principalmente pessoas mais velhas, parecia que perguntavam ‘Porque é que eles estão a fazer aquilo agora?’” Não há uma necessidade, comprámos tudo feito agora. Mas nós fazemos por gosto.” 

Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

No terceiro encontro Knit and Wine, na tarde de 29 de Fevereiro, o “dia extra do ano”, já venderam conjuntos de iniciação com novelos e agulhas circulares metálicas de seis milímetros (12 euros, que incluem também o pão de banana e vinho). Em Maio de 2019, criaram um evento no Facebook e juntaram-se num convívio-piloto num conhecido jardim na baixa do Porto. Com eles levaram toalhas, copos, um pacote de vinho, vontade de manter viva uma tradição, alguma lã e agulhas que espalharam pela relva e emprestaram a pessoas que se iam juntando. No segundo, aquando do Magusto, tiveram castanhas. “O bom é que nós temos doces e comida portuguesa associada a quase todos os dias do ano”, comenta Rafaela, 23 anos, confessa entusiasta das técnicas manuais e das tradições têxteis. De resto, “em vez de metros de scroll, fazemos metros de malha”, ri-se.

Foto
Gonçalo, artista plástico de 22 anos, ensina a fazer um ponto de tricot. Paulo Pimenta

Na maior parte das vezes, eles continuam a malha onde as avós a deixaram. Muitas das 40 pessoas na sala, maioritariamente mulheres portuguesas e jovens, ainda aprenderam a tricotar ou a fazer crochet em criança. Há quem chegue sozinho ou com o aconchego das lãs no saco, quem traga as avós, a mãe ou o parceiro. Há pessoas que começaram a tricotar em edições anteriores, foram para casa descobrir novos pontos em tutoriais do YouTube e agora ensinam outras, até então, desconhecidas.

Foto
Paulo Pimenta

Carolina Sandeman, estudante de moda na ESAD, trouxe para o primeiro encontro dois novelos e agulhas da avó que tinha guardados em casa há mais de dez anos. “Não foi um projecto muito consistente”, brinca, mas o pesado cachecol de lã teve direito a festejos quando o último remate foi orgulhosamente dado. “Começas a apreciar o processo e a dar mais valor à tua roupa”, reparou. Já comprou malha para a primeira camisola.

Foto
Paulo Pimenta

Quando Sara Brandão começou a viver com a avó perguntou-lhe se podia voltar a ensinar o tricot à maneira portuguesa. “Queria passar mais tempo com ela mas, ao mesmo tempo, não queria que estivéssemos sempre a falar das mesmas coisas. Queria um passar tempo como quando eu era pequena”, lembra-se a autora e ilustradora, responsável pelo projecto recém-terminado A Voz dos Avós (dita por nós). "Eu gosto destes encontros também por isso. Sentes-te inerentemente ligado a alguma tradição. A partir do momento em que sabes fazer a mesma coisa que a tua avó, noutro registo e com outra finalidade, automaticamente sentes que é uma parte da tua cultura que sempre esteve lá e que só agora está a vir ao de cima. Todas as mãos portuguesas têm uma ligeira queda para o tricot.”