Coronavírus: há dois casos confirmados em Portugal

Contra-análise a segundo caso deu positivo. Dois homens estiveram em Itália e Espanha. Ambos estão em hospitais do Porto, com estado de saúde estável.

Foto
Hospital de São João, no Porto, é uma das unidades de referência para o novo coronavírus PAULO PIMENTA

A ministra e a directora-geral da Saúde confirmaram esta segunda-feira que há um caso confirmado de coronavírus em Portugal. Um segundo caso que aguardava contra-análise deu, entretanto, positivo, apurou o PÚBLICO.

O primeiro caso confirmado é o de um médico de 60 anos regressado do Norte de Itália. Sentiu os primeiros sintomas a 29 de Fevereiro. Está internado no Hospital de Santo António, no Porto.

“A informação que temos, a esta data, que se trata de uma pessoa que vinha de férias do norte de Itália. Não se trata de um caso de uma pessoa que estivesse estado em exercício profissional, portanto incorrendo em risco próprio ou de transmissão a pacientes”, detalhou a ministra da Saúde, Marta Temido, em conferência de imprensa.

O outro caso, que aguardava confirmação do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (laboratório de referência nacional), é de um homem de 33 anos regressado de Valência, em Espanha. Os primeiros sintomas foram sentidos a 26 de Fevereiro. O doente está internado no Hospital de São João, no Porto.

Marta Temido já tinha explicado, em conferência de imprensa, que as autoridades de saúde assumiam este caso como positivo, já que duas análises feitas no Porto, por dois laboratórios, tinham dado positivo.

Os dois casos foram identificados e internados no domingo e o estado de saúde de ambos os doentes é estável. Os contactos próximos dos dois doentes vão ser colocados em vigilância. As autoridades estão a trabalhar na identificação destes contactos.

Sobre o caso do médico infectado, questionada sobre medidas a aplicar no hospital, nomeadamente a realização de testes, a directora-geral da Saúde, Graça Freitas, presente na mesma conferência de imprensa, disse que, para já, a indicação não é a realização de testes de forma generalizada, mas afirmou que o processo é dinâmico. “A Direcção-Geral da Saúde, o Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge e as autoridades de saúde definiram qual é a metodologia para a realização de testes. Mas tem de haver dinamismo e flexibilidade para adaptarmos as nossas acções ao risco e a situações particulares que venham a surgir”, disse.

“Podemos passar a uma fase em que pessoas com, por exemplo, contactos muito próximos de doentes confirmados possam vir a ser testadas, mas essa decisão é tomada pela autoridade de saúde que faz o equivalente a uma história clínica. Essa história tem de ser muito bem-feita, o grau de risco tem de ser muito bem particularizado e sempre que se justificar serão feitos testes. Não há indicação para fazer testes de forma generalizada, pelo conhecimento científico que temos até agora”, afirmou.

Rastrear passageiros vindos de Itália

“Estamos em fase de contenção e vamos continuar. Teremos quase de certeza dois casos confirmados. Não aumenta o nível de prevenção neste momento, mas gera uma segunda linha muito importante, de detecção de contactos directos”, afirmou a directora-geral da Saúde, Graça Freitas.

“A palavra do momento é tranquilidade”, disse. “As autoridades de saúde já estão a fazer contactos com os contactos dos doentes”.

“Neste momento, aquilo que é a recomendação geral para as pessoas que venham de uma área afectada onde possam ter tido contacto com doentes é fazerem vigilância activa e contactarem a linha SNS 24 no sentido de terem aconselhamento do que devem fazer. Será um trabalho caso a caso. E do aconselhamento poderão ser definidas outras medidas”, disse a directora-geral da Saúde.

A ministra da Saúde anunciou ainda reforços na “rastreabilidade” dos passageiros de voos vindos de Itália e da informação prestada aos mesmos. “Insistir que estejam atentas ao estado de saúde e se tiver sintomas que liguem para a SNS 24, em vez de irem às unidades de cuidados de saúde”, elaborou.

Graça Freitas reforçou que na fase em que as pessoas estejam sem sintomas “o distanciamento social e o isolamento são muito importantes”. “Enquanto foram assintomáticas têm baixa capacidade de iniciar cadeias de contágio. A vigilância activa das autoridades de saúde permite detectar precocemente sintomas e, se os encontrar e o delegado de saúde pública considerar que são de alto risco, pode decidir fazer testes. A decisão será caso a caso”, explicou.

Sobre a capacidade dos serviços de saúde em responder a um possível aumento de caso da doença Covid-19, nomeadamente de ventiladores para os casos mais graves que precisem de apoio respiratório, o secretário de Estado da Saúde, Pedro Lacerda Sales, afirmou que têm “feito um reforço destes equipamentos, que têm sido devidamente distribuídos”.

“Já tinha sido feito um reforço que nos permite dizer que é suficiente, mas estes são processos dinâmicos e a resposta será também dinâmica ao que se virá a passar. Temos 300 camas de unidades de cuidados intensivos e estamos preparados para a situação”, afirmou o secretário de Estado. Também em relação aos reagentes necessários para a realização das análises disse o país está preparado para um acréscimo de testes a realizar.

Dois casos no estrangeiro

O novo coronavírus já tinha sido detectado em dois cidadãos portugueses no estrangeiro. O primeiro caso foi confirmado a bordo do navio Diamond Princess em Adriano Maranhão, cidadão que transferido na terça-feira para o Fujita University Health Hospital, um hospital japonês recém-construído e cuja inauguração estava prevista para Abril. Adriano Maranhão teve alta hospitalar este fim-de-semana.

Esta quinta-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, revelou existir um segundo caso de um português no estrangeiro infectado com o novo coronavírus, cidadão que não quer ser identificado e pediu que a “sua situação seja mantida privada”.

Ao longo das últimas semanas, vários países europeus confirmaram os seus primeiros casos de coronavírus, entre eles a Espanha, França, Reino Unido, Itália, Dinamarca, Estónia, Noruega, Áustria, Croácia, Suíça e Grécia.

A epidemia do novo coronavírus, que teve origem na China, já infectou 89.668 em todos os continentes, das quais morreram mais de 3000 pessoas.

Sugerir correcção