Do alho à cocaína: as falsas curas que a Internet apresenta para o novo coronavírus

Mezinhas caseiras, ideias tiradas do baú das avós e agentes milagrosos entre estupefacientes. A Internet foi inundada com soluções “eficazes” contra o novo coronavírus para o qual, vale a pena sublinhar, não há até agora qualquer cura.

Connor Reed, de 25 anos, acredita que a cura foi graças ao whisky e mel que tomou
Foto
Connor Reed, de 25 anos, acredita que a cura foi graças ao whisky e mel que tomou Adam Jaime/Unsplash

Um britânico que vive em Wuhan, na China, onde o novo coronavírus foi pela primeira vez identificado e onde está o foco do surto, surgiu na comunicação social a garantir que tinha encontrado a cura para a doença, entretanto baptizada de Covid-19: nada mais que whisky e mel…

PÚBLICO -
Foto
A receita do alho circulou pelas redes sociais DR

Connor Reed, de 25 anos, foi infectado com SARS-CoV-2 e ficou internado durante duas semanas, num hospital de Wuhan. “Pensei que ia morrer”, recordou ao jornal britânico The Sun, acrescentando: “Mas consegui vencê-lo.” Primeiro, o professor britânico recusou a medicação à base de antibióticos — sendo os antibióticos úteis para matar bactérias e não vírus — e, depois, decidiu experimentar “um remédio antiquado, mas que parecia funcionar”. O preparado era uma mistura de whisky e mel, ao qual Reed atribui a sua recuperação.

Porém, não só o álcool não constitui cura comprovada para o novo coronavírus, como se apresenta como contra-indicado, uma vez que promove a desidratação do organismo, quando se pretende exactamente o oposto.

Paralelamente, começaram a surgir na Internet outras “receitas milagrosas”. É o caso de um e-mail que indica o chá de erva-doce como uma solução em potência, uma vez que, alega-se, contém a mesma substância activa do Tamiflu, medicamento usado no tratamento dos vírus da gripe, influenza A e B, e que trabalha ao nível da inibição da propagação do vírus no organismo. No entanto, não existe no chá de erva-doce fosfato de oseltamivir, o tal princípio activo do Tamiflu.

Ainda assim, esta não é a proposta mais perigosa, até porque o chá de erva-doce tem propriedades que ajudam à digestão, além de conter vitamina C, que dá um importante contributo para o normal metabolismo e funcionamento do sistema imunitário.

PÚBLICO -
Foto
Mike Kenneally/Unsplash

Outro conselho potencialmente inofensivo é o consumo de uma tigela de água de alho, para a qual são usados oito dentes daquele bolbo. O alho é efectivamente conhecido pelas suas propriedades terapêuticas, que incluem uma acção antibiótica, antimicrobiana e anti-séptica. E, se tudo isto falhar, o mais provável é que contribua para a contenção social desejada num contexto de epidemia, mantendo toda a gente a uma distância de segurança. Contudo, não há nenhuma evidência científica de que o alho tenha o poder de destruir o novo coronavírus ou de diminuir as possibilidades de contágio.

Mas há ainda outras soluções que estão a surgir um pouco por toda a parte e que podem encerrar vários perigos. Duas das mais perigosas são as que associam a cura ao uso de loló (um estupefaciente que resulta de uma mistura de éter e clorofórmio) ou de cocaína. O rumor surgiu em várias publicações nas redes, adulteradas para se assemelharem a uma notícia de televisão, e não tem qualquer base científica.

A Covid-19 ainda não tem cura

A doença Covid-19 é caracterizada por tosse seca, febre, fadiga e dificuldades respiratórias, sendo que o quadro clínico pode assemelhar-se ao de uma gripe comum, ainda que uma pequena proporção dos doentes desenvolva pneumonia, podendo ocorrer a falência de órgãos, resultando na morte. As pessoas infectadas recebem sobretudo cuidados para aliviar ou tratar os sintomas, o que, como numa gripe, inclui manterem-se hidratadas.

Para já, não é conhecida nenhuma cura para o vírus SARS-CoV-2 e a Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta para que não se faça uso de antibióticos, ineficazes contra os vírus.

PÚBLICO -
Foto
SARS-CoV-2 LUSA

O que se sabe é que há equipas a testar medicamentos — caso do lopinavir e o ritonavir, usados para o VIH, ou do remdesivir, para o vírus do ébola — e a desenvolver vacinas capazes de imunizar a população contra este vírus. A OMS estima que daqui a três ou quatro meses se iniciem os ensaios em pessoas para uma ou duas dessas vacinas e que uma esteja disponível para uso geral daqui a 18 meses.

De momento, observa-se que o vírus, que entretanto foi identificado esta segunda-feira, pela primeira vez, em Portugal, é muito contagioso, existindo 44.042 mil casos activos e confirmados, a maioria na China.

Ao todo, desde 20 de Janeiro, foram identificados 89.197 casos de Covid-19 e registados 3048 óbitos — o que representa, para já, uma taxa de mortalidade de 3,4%. No entanto, também há números animadores: mais de 45 mil pessoas (mais de 50%) que apanharam o vírus já se livraram dele e apresentam-se totalmente recuperadas.