Plataforma do património regressa para combater “mercantilização” e “falta de respeito” pelo que é público

Quinze associações reactivam a Plataforma pelo Património Cultural. Objectivo? Inverter, com debate e propostas, a deriva das políticas públicas para o sector, algumas feitas “à revelia da lei”.

Fotogaleria
Na Coudelaria de Alter do Chão deverá abrir no dia 13 um hotel ligado ao universo equestre Pedro Elias
,Mosteiro de Santa Clara-a-Nova
Fotogaleria
O Mosteiro de Alcobaça é património mundial há 31 anos Paulo Pimenta

A estratégia para confiar a gestão de património cultural público a privados, traduzida na cedência de peças até aqui à guarda de um museu nacional a um grupo hoteleiro ou de parte de um mosteiro a outro, levou à reactivação da Plataforma pelo Património Cultural (PP-Cult), um grupo de associações que entre 2008 e 2014 promoveu o debate e a reflexão sobre políticas patrimoniais.