Empresas ficam em terra, mandam para casa quem regressa e usam Skype para tudo o resto

São estratégias para enfrentar o novo coronavírus. Trabalhadores que regressaram de viagem por estes dias têm uma lista de recomendações para cumprir, desde ficar em casa até notificar a empresa por onde andaram, mesmo que de férias. Viagens profissionais, quando permitidas, serão em número muito reduzido, recorrendo a teletrabalho, videoconferência e redes sociais

Foto
Rui Gaudenco

Seguir as regras da Direcção-Geral de Saúde, da Organização Mundial de Saúde e do Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças – é nisso que os grandes grupos empresariais portugueses e multinacionais a operar em Portugal têm presente nos últimos dias para enfrentar o novo coronavírus. O que se concentra sobretudo em restringir viagens profissionais, usar a teleconferência e redes sociais para a actividade diária e solicitar aos trabalhadores que fiquem em casa sempre que tenham estado fora do país durante as últimas duas semanas.

São as multinacionais com sede ou presença em Portugal que, devido à sua dimensão, têm já medidas mais concretas em campo, segundo as respostas recolhidas por escrito pelo PÚBLICO de 14 empresas e duas organizações sectoriais.

Na suíça Nestlé, o maior grupo alimentar do mundo com duas fábricas no país, foi solicitado “a todos os colaboradores que não realizem viagens internacionais em trabalho, nas próximas três semanas, em concreto no período entre 25 de Fevereiro e 15 de Março”.

Na maior companhia de distribuição portuguesa, a Jerónimo Martins, que recorda que nos três mercados em que opera (Portugal, Polónia e Colômbia) “não há, até ao momento, nenhum caso de coronavírus confirmado”, as restrições estão, para já, localizadas geograficamente, com destaque para a zona onde surgiram os primeiros casos. “Logo desde o início da crise do coronavírus que, no grupo Jerónimo Martins, as viagens profissionais à Ásia foram proibidas, tendo-se desaconselhado também as viagens a título pessoal”.

A EDP, cujo maior accionista é a China Three Gorges, “aconselha os colaboradores a evitar as viagens à China, e a países/zonas onde se verifiquem comunidades de transmissão activa do Covid-19”.

No caso da petrolífera Galp, “todas as viagens previstas para as áreas actualmente afectadas estão suspensas”, além de a sua realização estar “restringida aos casos de estrita necessidade”, reconhecendo a companhia liderada por Carlos Gomes da Silva que “vai continuar a monitorizar a evolução da situação e a avaliar eventuais ajustamentos das medidas adoptadas”.

Pela mesma medida, a multinacional Vodafone avança que “todas [as viagens profissionais] que não forem urgentes serão adiadas”. A operadora de telecomunicações “recomenda, ainda, que sejam evitadas viagens para destinos de risco” no caso de viagens pessoais dos seus trabalhadores. Garante que “está a acompanhar a evolução da situação” e que, se houver agravamento, “serão tomadas medidas de protecção adicionais, que podem incluir a suspensão total de todas as viagens profissionais”.

Igualmente drástica é a opção da fabricante de bebidas Sumol+Compal: “a S+C proibiu as viagens profissionais para todos os países considerados de risco e restringiu ao estritamente necessário todas as restantes viagens profissionais”, afirma fonte oficial. “A proibição afecta todos os seus colaboradores” e “a situação é analisada e revista todas as semanas”.

“De forma a mitigar o risco de contágio, as viagens ao estrangeiro e as viagens com recurso a transporte aéreo estão condicionadas”, responde, por seu turno o Millennium BCP, que adianta que “está a acompanhar de perto a situação em todas as geografias onde tem operações e a observar escrupulosamente todas as recomendações emitidas pelas autoridades competentes, no caso de Portugal as orientações da DGS”.

O Super Bock Group, que nos últimos anos incluiu a China na lista dos seus principiais mercados exportadores, desaconselha não só “deslocações para destinos com restrições impostas por entidades oficiais, bem como reuniões “físicas” e contacto próximo com pessoas oriundas” das zonas identificadas na Itália, Japão, Singapura, Coreia do Sul e Japão.

Na operadora de telecomunicações Altice, foi decidido o “adiamento de viagens aéreas não essenciais, em particular para o continente asiático” estando as “viagens aéreas para países com casos identificados” todas sujeitas a análise risco/benefício”.

Planos de contingência activados

“No início de Fevereiro de 2020”, sublinha fonte oficial do grupo de telecomunicações com presença em vários mercados, “foi efectuada uma comunicação às equipas de gestão da Altice Portugal com informações e orientações preventivas, a serem propagadas por toda a organização”. E, “desde então, foi elaborado um plano de contingência que está em constante actualização”.

Também no início deste mês, o Super Bock Group criou “uma comissão interna com acompanhamento médico para monitorizar esta situação”. “Inserido no apoio de Medicina no Trabalho do grupo”, esclarece fonte oficial da cervejeira, “foi designado um contacto médico específico para o qual deverão os colaboradores canalizar quaisquer questões ou informações, através do email ou telefone”.

Também a CGD “tem um Plano de Contingência onde estão previstas as acções a tomar em caso de pandemia”, mas o banco público não pormenoriza, frisando contudo que “a Caixa Geral de Depósitos acompanha as posições que são tomadas pela Direcção Geral de Saúde”.

Os CTT “estão a reforçar o Plano de Contingência para eventuais situações de crise, de modo a garantir a continuidade e o nível de serviço da sua actividade”, tendo realizado já “várias comunicações a todos os colaboradores, com as recomendações da Direcção Geral da Saúde (DGS)”. Está “a implementar na empresa essas mesmas recomendações”.

O grupo segurador Fidelidade, detido em 85% pelo conglomerado chinês Fosun e em 15% pela CGD, garante que “elaborou um Plano de Contingência de resposta ao surto viral Covid-19 e que vem complementar o Plano de Continuidade de Negócio que a companhia tem preparado de forma permanente para responder a qualquer cenário adverso, em que um cenário de um surto viral está também incluído”.

A REN – que sublinha que “tem como prioridade a segurança de todos os colaboradores e a salvaguarda da gestão das operações críticas da sua responsabilidade, como a gestão dos sistemas nacionais de transporte de electricidade e gás natural” – afirma que está “a acompanhar a evolução da situação desde o início em coordenação com as entidades oficiais”, seguindo as recomendações da DGS. “Todos os colaboradores estão sensibilizados para a importância da adopção de medidas de prevenção tendo acesso a canais internos e externos para esclarecimento de duvidas e obtenção de informação adicional”.

Na operadora Nos, tem sido feito o acompanhamento diário, “em total alinhamento com a DGS e a OMS”, da evolução “do vírus 2019-nCoV”. “Existem, naturalmente”, acrescenta fonte oficial, “uma série de medidas preventivas já acauteladas”, que, todavia não pormenoriza.

No caso da FIPA – Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares, explica Pedro Queiroz, director-geral da organização: “não temos nenhuma viagem prevista para os países mais afectados”. “Neste momento, a Federação está a desenvolver todo o seu trabalho dentro da normalidade e sem o cancelamento de qualquer compromisso nacional ou internacional”.

Viajou? Fique em casa e ligue o ecrã

Além das medidas preventivas de evitar que os seus colaboradores viajem até destinos mais ou menos expostos ao novo coronavírus, a maior parte das empresas optou por pedir aos funcionários que, tendo viajado – sobretudo por causa da “ponte” que o dia de Carnaval, a 25 de Fevereiro, permitia – optassem pelo mais simples. Ficar em casa e recorrer ao teletrabalho.

No caso da Vodafone, “os colaboradores devem informar proactivamente a sua chefia directa das viagens pessoais para o estrangeiro que tenham realizado recentemente ou que estejam planeadas, identificando eventuais escalas” em países por onde tenham passado. O “alargamento do regime de trabalho em mobilidade, o qual já é prática comum na Vodafone” pode, “numa situação de emergência” passar “a abranger um maior número de colaboradores, durante mais tempo”.

“Conscientes de que estamos a regressar de um período de férias, como medida de controlo e prevenção, as pessoas da Galp que possam regressar de áreas afectadas ficam a trabalhar em casa em regime de home office, seguindo as boas práticas aplicáveis, e sendo disponibilizado o acesso à realização de exames médicos”, explica fonte oficial da petrolífera.

Na Sumol+Compal, “os colaboradores que viajem, em férias, para destinos de risco, têm que informar os Recursos Humanos e cumprir o previsto no Plano de Contingência”, sendo a situação “analisada e revista todas as semanas”.

Na antiga Unicer, “qualquer colaborador, familiar ou pessoa próxima do mesmo, que tenha viajado nos últimos dias” para a China, Itália, Japão, Singapura, Coreia do Sul e Irão “tome medidas específicas no sentido de contactarem o nosso médico indicado, por forma a poder ser realizada a devida monitorização do estado clínico e despiste de qualquer possível incubação”. Caso tenham viajado para outros destinos, “nomeadamente com passagem por aeroportos, a recomendação adicional é que os trabalhadores “se certifiquem que todos os elementos do grupo de sua proximidade se encontram de boa saúde e sem qualquer sintoma que possa ser associado a esta doença”.

Solução semelhante está a ser aplicada no grupo JM. “Uma vez que Itália é agora considerado um país foco”, os colaboradores que regressam deste ou de qualquer país considerado de foco, devem ficar a trabalhar de casa até terminar o período considerado necessário para garantir que a pessoa não está infectada”. “Tomaremos as medidas adicionais necessárias, de acordo com o evoluir da situação”, acrescenta fonte oficial da dona do Pingo Doce.

“As situações em que se verifique a integração de pessoas com regresso de uma viagem à China, ou de países que constam da listagem emitida pelo ECDC [Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças], devem ser enquadradas em regime de trabalho à distância durante um período de duas semanas, sendo que o regresso às instalações da EDP, só deve ocorrer caso não se manifestem, durante esse período, sintomas de tosse, febre ou de dificuldades respiratórias”.

A Altice irá também proceder à “vigilância e apoio aos colaboradores que regressem de zonas infectadas” e recorrer “ao regime de teletrabalho”.

No BCP, sempre possível e “como já é prática no banco”, assegura fonte oficial, “privilegiam-se as reuniões por videoconferência” num contexto de restrição de viagens aéreas.

“Métodos alternativos de comunicação, como Skype ou pelo sistema de comunicação por telepresença”, que existem em todos os mercados em que está presente, é o que escolhe a Nestlé em substituição de “viagens profissionais domésticas” e recomenda “a todos os colaboradores”. “Por outro lado”, adiciona fonte oficial da Nestlé Portugal, o facto de ser hoje uma empresa “que tem implementadas práticas de trabalho mais ágil e flexível” permite aos seus colaboradores “trabalhar de qualquer local, inclusive de suas casas caso o entendam necessário”.

Impactos ainda por contar

A companhia alimentar suíça não acusa contudo qualquer impacto na actividade com o surto do novo coronavírus, localmente. “No caso da Nestlé Portugal, não verificamos por enquanto qualquer constrangimento ao nível da nossa ‘supply chain’ [cadeia de abastecimento], nem ao nível das nossas exportações”.

A fabricante de bebidas Sumol+Compal garante que “não é possível, neste momento aferir ou correlacionar qualquer variação da actividade com o surto do coronavírus”.

Globalmente, o Super Bock Group não avança para já impactos. “Estamos, sobretudo, a fazer o acompanhamento da situação pela dimensão global que está a ter”. No caso específico do mercado chinês, diz fonte oficial, “é prematuro avaliar impactos na operação, considerando que as exportações para a China, nos meses de Janeiro e Fevereiro, são, por norma, mais brandas por ser uma altura do ano com temperaturas mais baixas e também porque houve encomendas relevantes em Novembro e Dezembro para salvaguardar as festividades como o Ano Novo Chinês”, este ano celebrado a 25 de Janeiro.

A FIPA, a federação a que os três grupos pertencem, acredita “que a maioria das empresas [do sector agro-alimentar e das bebidas] está a operar dentro da normalidade”. Pedro Queiroz reconhece que “ainda é prematuro fazer qualquer avaliação deste tipo”, e recorda que “embora seja um mercado de grande atractividade, a China representa ainda pouco mais de 1% dos clientes e fornecedores da fileira agro-alimentar”. Conclusão? “Não se consegue apurar um impacto significativo no sector”.

Da distribuição vem resposta semelhante: “a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) não registou, até ao momento, quaisquer alterações ao normal funcionamento dos espaços comerciais dos seus associados”. “Quer o consumo, quer o abastecimento estão a decorrer com total normalidade”, garante a associação que reúne híper e supermercados e marcas com Ikea e Fnac.

A JM, especificamente, diz que não regista “qualquer impacto”: “relativamente à China, não temos exposição a importações alimentares e no que diz respeito a produtos não-alimentares as importações também são muito reduzidas”.

A EDP, presente em várias geografias, diz que “até ao momento não foi registado nenhum impacto no normal funcionamento das várias empresas do grupo”.

No turismo, a Vila Galé assegura: “até ao momento ainda não detectámos qualquer impacto do coronavírus nas reservas” da segunda maior cadeia hoteleira portuguesa.

Os CTT, por seu turno, garantem que “os fluxos de exportação e importação para a China estão abertos e sem interrupções”, mas admitem que “têm verificado uma redução da oferta de transporte e uma alteração da normalidade da actividade económica chinesa, devido ao abrandamento da economia local”.

A Vodafone responde que “nesta fase não se sente impacto do coronavírus na actividade” da operadora de telecomunicações em Portugal e questionada sobre a China como cliente e/ou fornecedora, garantiu que “está a acompanhar de perto a evolução da situação, em conjunto com fabricantes e fornecedores, de forma a minimizar os impactos que possam vir a existir no seu negócio”.

Da mesma forma, e “procurando antecipar e mitigar os eventuais impactos do vírus, a Altice Portugal está em contacto permanente com os seus parceiros, tendo já implementado medidas preventivas como o reforço das coberturas de stock de equipamentos”. “Já em termos do negócio”, acrescenta a Altice Portugal, enquanto operadora de telecomunicações, não está a sentir impacto imediato na sua actividade.

Finalmente, a Nos tem “vindo a gerir” com os seus “parceiros de equipamentos os eventuais impactos que a evolução desta situação possa causar ao normal funcionamento da actividade” o grupo. Mas defende que, à data, “não existam motivos que justifiquem a antecipação de qualquer acção.”