Nas Daily viajou até à Coreia do Norte, “o país mais deprimente do mundo”

Para quem aproveita a vida para viajar por todo o mundo, uma ida à Coreia do Norte é um choque com uma realidade distinta: não só pelas diferenças culturais, mas principalmente pela força da opressão política. Foi o que sentiu Nuseir Yassin.

Mais conhecido por Nas – termo árabe para “pessoas” – da página de Facebook Nas Daily, onde publica os seus vlogs, o israelita com raízes árabes e ascendência palestiniana começou a produzir vídeos em 2016. Na altura, despediu-se do seu emprego de programador e assumiu o compromisso de viajar pelo mundo publicando, todos os dias, vídeos de um minuto a relatar as experiências, sempre com uma t-shirt em que mostra a percentagem de vida gozada — já vai em 35%. Recentemente, o conteúdo começou a ser publicado com legendas em português numa página própria.

Agora numa temporada de vídeos mais longos (como este sobre a relação entre judeus e árabes), Nuseir decidiu documentar a sua visita de cinco dias ao país governado por Kim Jong-Un. No vídeo O país mais deprimente do mundo, o israelita começa por mostrar-nos a entrada no país, depois de uma viagem de 24 horas que ligou Pequim à fronteira norte-coreana. Ao longo dos quatro minutos de vídeo, Nuseir enumera vários problemas, desde a revista minuciosa e invasiva dos soldados à entrada na Coreia do Norte até às avenidas desertas devido à falta de poder de compra da população, que a impede de comprar carros.

O relato de Nuseir enaltece também os valores do país, como os eventos desportivos, as danças e outras demonstrações de cultura. Elogios a uma população ostracizada do mundo, relegada para segundo plano pela causa maior do governo: a “ilusão de poder” perpetuada pela propaganda ao exército, ao armamento e pelo culto aos líderes. Uma realidade tão afastada do resto do mundo que levou Nuseir às lágrimas no fim da viagem. Da jornada, o vlogger caracterizou o país como “uma espécie de prisão”.

Sugerir correcção