Ensaio

Isabel Camarinha: uma apparatchik na liderança da CGTP

No XIV Congresso da CGTP, Isabel Camarinha foi eleita para substituir Arménio Carlos. É a primeira vez que uma confederação – sindical ou patronal – é liderada por uma mulher.

Foto
Isabel Camarinha é a nova secretária-geral da CGTP rui gaudêncio

A CGTP tem, a partir do passado fim-de-semana e durante os próximos quatro anos, uma mulher como principal dirigente. Esta foi, sem sombra de dúvida, a principal novidade do seu XIV Congresso. Pela primeira vez, uma confederação – seja sindical, seja patronal – tem à sua frente uma mulher.