David Hockney revela retrato esquecido dos seus pais

Drawing from Life é o título da exposição que o artista inglês mostra a partir de 27 de Fevereiro na National Portrait Gallery.

,Galeria Nacional de Retratos
Fotogaleria
My Parents and Myself (1975) National Portrait Gallery
,Arte
Fotogaleria
My Parents (1977) Tate Britain
,Arte
Fotogaleria
David Hockney em Londres, em 2012 Luke MacGregor/ REUTERS

Em 1975, o pintor inglês David Hockney (n. Bradford, 1937) decidiu fazer o retrato dos pais, Laura e Kenneth Hockney. Fez duas tentativas, que resultaram em dois quadros que não o satisfizeram. Destruiu um deles, e o outro guardou-o algures no sótão do esquecimento. Os pais não gostaram da atitude de David, e protestaram. Principalmente Kenneth, que, com Laura, tinha inclusivamente viajado de Inglaterra para Paris para posar para o filho pintor, então aí radicado. 

“O pai ficou furioso e telefonou ao David a dizer-lhe isso”, mas, mais tarde, voltou a telefonar-lhe para lhe pedir desculpa: “David, esquece o que te disse”. O episódio foi agora recordado por Margaret Hockney, irmã do pintor, ao jornal The Guardian, a pretexto da inauguração de uma nova exposição do artista em Londres, David Hockney: Drawing from Life (Desenhar a vida, numa possível tradução), que esta quinta-feira, dia 27, abre na National Portrait Gallery (NPG), comissariada por Sarah Howgate.

A relação do artista hiper-realista com os pais retomou a normalidade quando, dois anos depois, ele voltou a Inglaterra, alugou uma casa em Notting Hill, e os chamou para um novo retrato, este sim levado até ao fim, e registado com o título My Parents (1977), que seria exposto na galeria londrina Hayward, e depois adquirido pela Tate Britain.

Passados 45 anos, David Hockney decidiu ir repescar o primeiro quadro, My Parents and Myself, e expô-lo em conjunto com My Parents, e um dos atractivos da nova exposição na NPG, que terá centena e meia de desenhos e retratos, será mesmo poder comparar aquelas duas obras.

Sem “paz e sossego"

No quadro agora revelado, Laura e Kenneth estão sentados em cada um dos lados de uma pequena mesa, onde um espelho, junto a um vaso com túlipas amarelas, reflecte a figura do próprio pintor. Na versão de 1977, os pais mantêm-se nos mesmos lugares, mas Kenneth está ligeiramente curvado e a ler um livro, e a imagem do filho desapareceu do espelho, tendo as flores passado a ter várias cores – na prateleira da mesinha vêem-se seis volumes da obra de Marcel Proust, À Procura do Tempo Perdido.

Em 1975, “ele exagerou, e pintou de mais; [no retrato] o pai está demasiado rígido”, comentou agora ao Guardian Sarah Howgate, numa tentativa de explicação para o episódio dos anos 70. E o próprio David Hockney disse que destruiu a primeira versão do retrato iniciado em Paris, que tinha um triângulo em fundo, porque o achou “muito superficial”. Além de que, nessa altura, “havia demasiada gente” a visitá-lo em Paris, e só encontrou “a paz e o sossego” necessários para retomar esse seu projecto quando regressou a Londres.

Sobre a versão que, apesar de tudo, decidiu manter dos dois retratos iniciados na capital francesa, o pintor explicou que não faria sentido “destruí-lo agora, passados estes anos todos”. “Afinal, foi um retrato feito com os meus pais vivos, e eles já cá não estão”, acrescentou.

A sua irmã Margaret recordou também a satisfação com que os pais, e a mãe em particular, reagiram ao novo trabalho em 1977. “Ele regressou ao nosso retrato. Perguntei-lhe porque tinha mudado de ideias. O que é que o influenciara. Ele disse que sentia uma nova inspiração. Só quero que ele seja feliz e fique satisfeito com o seu trabalho. Nada é mais importante do que isso”, escreveu Laura Hockney no seu diário.

Além destes dois retratos dos pais, Drawing from Life, que é a maior reunião de desenhos de David Hockney nos últimos vinte anos, revisita seis décadas do seu trabalho, desde os anos 1950 até à actualidade. Além da família e de vários auto-retratos, nomeadamente os que fez na década de 80, na exposição estão também representadas personagens que sempre lhe foram muito próximas, como a sua musa Celia Birtwell, o curador Gregory Evans ou o impressor Maurice Payne.

Drawing from Life marca, por outro lado, o regresso de Londres à obra do artista depois do grande sucesso de visitas registado com a exposição com que a Tate Britain assinalou o seu 80.º aniversário, no início de 2017.