Correntes d’Escritas, quando a literatura é salva pelos leitores

Acontece esta segunda-feira no Instituto Cervantes, em Lisboa, a última sessão do festival Correntes d’Escritas, da Póvoa de Varzim onde durante quatro dias escritores de expressão ibérica, vindos de muitos lugares, discutiram o estado da literatura e empolgaram tanto os pequenos como os grandes leitores.

Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
NELSON GARRIDO
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido

As crianças, sentadas em almofadas coloridas no chão e fantasiadas por ser Carnaval, surpreendem-se ao ver Adélia Carvalho entrar de rompante na sala das Galerias Euracini2, balançando entre um pé e o outro. A escritora de literatura infantil está no Festival Correntes d’Escritas, na Póvoa de Varzim, a lançar o seu mais recente livro A Menina que queria desenhar o mundo, com ilustrações de Sérgio Condeço (Penguin Random House). “Um livro que é quase uma metáfora do crescimento”, explica a autora, pois “uma menina quer desenhar o mundo numa folha de papel e depara-se com uma grande dificuldade”.