Um exoesqueleto controlado pelo cérebro para devolver a mobilidade a paraplégicos

Projecto desenvolvido por investigadores portugueses conjuga a robótica, tecnologia das artes, neurociências, psicologia, entre outras áreas do conhecimento.

Um grupo de investigadores da Universidade Católica Portuguesa desenvolveu um projecto que inclui um exoesqueleto controlado pelo cérebro do utilizador. Ainda que não seja inédita, esta investigação pode ser um passo em frente para devolver a mobilidade a pessoas que perderam a habilidade de andar.

O projecto de investigação, que junta profissionais do núcleo do Porto do Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa e do Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes (CITAR), chama-se Thertact-Exo.

Ainda que a investigação se encontre numa fase embrionária, o objectivo é que o paciente que vai usar o "fato" tenha apenas de pensar em caminhar e os comandos cerebrais registados através de electroencefalografia (que permite o registo da variação da actividade eléctrica do cérebro) serão descodificados em tempo real e servirão como instrução para que o exoesqueleto inicie a marcha.

Sugerir correcção