Turismo empurra ESAP do centro do Porto, mas futuro vai ser melhor

Ajudou a dinamizar a zona histórica quando o turismo mal conhecia o caminho para o Porto. Em 2022, quando completar 40 anos, Escola Superior Artística do Porto mudará para as Antas. A fugir dos incómodos do turismo

Foto
Escola Superior Artística do Porto abriu em 1982 e vai sair do centro histórico daqui a dois anos

A eleição do centro histórico foi estratégica e as coordenadas geográficas onde a “casa” se instalou não foram mero pormenor na sua história. Em 1982, a Escola Superior Artística do Porto (ESAP) chegava a uma cidade onde mal se falava de turismo e arrastava para a zona uma certa dinâmica social e cultural. Ao longo das últimas décadas, esse posicionamento foi “fundamental” para a escola, inicialmente chamada Cooperativa de Ensino Superior Artístico do Porto. Mas os últimos tempos deram a essa vantagem contornos de problema. Em 2022, empurrada pelos incómodos causados pelo turismo, a ESAP muda-se para a zona das Antas, junto à escola artística de Soares dos Reis. 

A mudança é “positiva e absolutamente necessária”, diz a directora académica Eduarda Neves. A nova escola vai alargar a sua oferta formativa, tanto a nível de licenciaturas como de ensino pós-graduado, e criar as condições há muito sonhadas. Amplos atelieres no domínio das artes plásticas e da arquitectura, estúdios nas áreas do cinema, audiovisual, som e fotografia, laboratórios nas áreas do design e do multimédia e um auditório são valências a acrescentar. Mas há mais: tendo em conta os valores “incomportáveis” dos arrendamentos praticados no centro histórico e redondezas, o novo edifício irá ter uma residência para os estudantes.

Directora da ESAP diz que ruído provocado pelo turismo incomoda o funcionamento das aulas
Fotogaleria

A escola vai nascer numa antiga fábrica de têxteis em frente à escola artística Soares dos Reis, com quem será reforçada a parceria já existente, devendo crescer o “trabalho conjunto” entre as duas instituições. Em fase de conclusão, o projecto será submetido em breve à Câmara do Porto e à Direcção-Geral de Ensino Superior. O valor do investimento ainda não está fechado – mas para conseguir avançar com ele a ESAP vai candidatar-se ao IFFRU ​(Instrumento Financeiro para a Reabilitação e Revitalização Urbana) e analisa a possibilidade de outras vias. “Nesta mudança não tivemos qualquer tipo de auxílio externo e de qualquer natureza política”, afirma Eduarda Neves.

Nesta “aventura”, a escola – a primeira de ensino superior privado do sector cooperativo e que mantém, até hoje, um regime jurídico misto – faz também questão de ir à luta sozinha, vestindo os ideais que a ergueram: “A nossa força resiste na independência face a qualquer tipo de poder político. Demoramos mais, mas chegamos sempre onde queremos.”

Foto
Na nova casa, escola terá residência para estudantes

A vida no centro histórico ganhou contornos indesejáveis com o crescimento do turismo na zona, tornando “o funcionamento das aulas, em certos meses do ano, bastante incomodativo”. Causas? O “ruído do exterior, provocado, por exemplo, por cantores de rua, animadores ou a presença massiva e barulhenta dos próprios turistas.”

A isso, uma outra vantagem se esfumou na evolução da cidade. “O facto de, praticamente, nos vermos impossibilitados de estabelecer relações de vizinhança, pois estamos rodeados de hotéis, lojas gourmet e turistas que chegam e partem”, a directora da escola classificada pela UNESCO e com sede num edifício no Largo de S. Domingos.​ 

A ligação ao centro histórico, local onde tudo começou, não morrerá. A galeria DÍNAMO, no Largo de São Domingos, terá autonomia espacial mas manterá ligação umbilical. Por ali, a escola – actualmente com 63 docentes e 381 alunos e licenciaturas, mestrados e pós-graduações nas áreas de arquitectura, fotografia, cinema, entre outros – quer “incentivar práticas artísticas e contemporâneas, a investigação, e ainda a interacção entre agentes e forças locais e internacionais”.

Já a partir de 2021, o espaço vai acolher exposições. Quando a escola se mudar de vez para as Antas, a galeria vai ocupar os dois pisos e artistas, curadores e investigadores convidados pela ESAP vão ter ali um local para fazer residências.