PCP preocupado com “afronta e ingerência” do Governo português na Venezuela

Comunistas dizem que o Governo foi “irresponsável” no caso do voo da TAP de Lisboa para Caracas que transportou Juan Guaidó.

Voo da TAP de Lisboa para Caracas abriu ceise diplomática entre os dois países
Foto
Voo da TAP de Lisboa para Caracas abriu crise diplomática entre os dois países Nelson Garrido

O PCP manifestou nesta quinta-feira a sua “preocupação pelas consequências da postura de afronta e de ingerência do Governo português contra a República Bolivariana da Venezuela, o povo venezuelano e as legítimas autoridades daquele país”.

“Uma irresponsável postura do Governo português que está na origem do recente agravamento das relações de Portugal com a Venezuela e, em particular, dos prejuízos causados à comunidade de origem portuguesa radicada naquele país latino-americano, nomeadamente em resultado da suspensão temporária dos voos da TAP”, acrescentam os comunistas em comunicado.

O PCP diz ainda ser “necessário o apuramento dos factos e das circunstâncias que rodearam a inusitada passagem de Juan Guaidó, e seus acompanhantes, por Lisboa e a utilização da TAP, para o seu retorno à Venezuela”.

“O Governo português não se limitou a contestar a legitimidade do Presidente da Venezuela; tomou posição activa de apoio ao ‘auto proclamado presidente’, colocando-se desde o primeiro momento na primeira linha da operação de ingerência e agressão da Administração Trump visando derrubar o legítimo Governo bolivariano”, acusam.

Por fim, os comunistas responsabilizam Governo português pela “deterioração das relações entre os dois países, com grave prejuízo para o povo venezuelano e para a comunidade portuguesa na Venezuela”.

Sugerir correcção