Garcia de Orta estima abrir urgência pediátrica à noite em Abril, mas de forma gradual

Urgência pediátrica do hospital de Almada está encerrada no horário nocturno desde 18 de Novembro do ano passado. Até ao momento unidade conseguiu contratar três especialistas.

,Médico
Foto
FTX Fabio Teixeira

O presidente do conselho de administração do Hospital Garcia de Orta, em Almada, admitiu esta quarta-feira que a urgência pediátrica poderá reabrir durante a noite a partir de Abril. Mas será um regresso ao funcionamento de forma gradual e na fase inicial só deverá estar a funcionar as 24 horas ao fim-de-semana.

“Se todas estas condições se vierem verificar, entendemos que em Abril podemos ter condições para — não os sete dias da semana — começar por abrir [a urgência pediátrica] ao fim-de-semana. E à medida que se captarem recursos podermos efectivar o funcionamento em pleno da urgência”, afirmou o presidente Luís Amaro na comissão de saúde, onde foi ouvido a pedido do PSD e do PCP por causa do encerramento nocturno da urgência pediatria desde 18 de Novembro.

O responsável já tinha dito numa entrevista ao Observador que não lhe parecia realista abrir a urgência pediátrica à noite em Março, como a ministra Marta Temido tinha previsto.

Luís Amaro disse aos deputados que desde 2016 até ao momento, o Hospital Garcia de Orta perdeu 14 pediatras, dois dos quais por aposentação. Os motivos “são sabidos”, afirmou. “Há apelo muito significativo por parte de entidades privadas, que abriram unidades na grande Almada e na grande Lisboa, através de ordenados que não conseguimos acompanhar”, disse o presidente do conselho de administração.

Até ao momento, referiu Luís Amaro, o hospital conseguiu contratar três novos pediatras. A última vez que esteve no Parlamento, a ministra da Saúde disse que o Hospital Garcia de Orta recebeu cinco vagas para a contratação de recém-especialistas, mas estas não foram preenchidas. A administração conseguiu contratar duas pediatras, que terminaram a especialidade na segunda fase do ano passado, através de contratos individuais de trabalho que foram autorizados a fazer.

“Não era expectável no segundo concurso cativar mais pessoas. O número de candidatos é muito reduzido e no segundo concurso saíram a nível nacional apenas 11 pediatras. Ainda assim, conseguimos ficar com dois”, afirmou Luís Amaro, considerando que este resultado de uma “estratégia ganhadora” que traçaram. O responsável adiantou que tem “quase firmados” contratos com dois pediatras que terminam a especialidade em Abril.

Luís Amaro explicou que têm mostrado a “potencialidade” do serviço de pediatria a novos médicos, que passa por “abraçar um conjunto de tarefas que até aí tinham sido vedadas a novas gerações”. “Entendemos que é fundamental desenvolver áreas nobres do serviço. Pretendemos desenvolver a área da neonatologia e subespecialidades da pediatria e o centro de desenvolvimento da criança no âmbito da neurologia”, adiantou.

O responsável adiantou que a nova direcção do serviço de pediatria tem trabalhado junto de grandes hospitais de Lisboa — “Santa Maria e Dona Estefânia” — para “colocar em prática um protocolo de apoio”. Em relação ao Hospital de Santa Maria, Luís Amaro acredita estarem reunidas as condições para que possa ser activado a curto prazo.

Questionado sobre o impacto do encerramento nocturno da urgência pediátrica, Luís Amaro especificou que “desde 18 de Novembro, altura do encerramento, até 16 Fevereiro, o número de crianças encaminhadas para uma urgência foi de 41”.

“São 1,8% do total de crianças atendidas” pelos agrupamentos de centros de saúde de Almada e do Seixal, que estão a funcionar com horário complementar para compensar aquele encerramento. Durante este tempo atenderam nesse horário complementar 2298 crianças. O responsável salientou que cerca de 70% das crianças que vão às urgências do Hospital Garcia de Orta são pulseiras verdes e azuis, considerados casos de atendimento nos centros de saúde.

Sugerir correcção