Meio milhão de mexilhões encontrados cozidos em praia da Nova Zelândia

“Um período excepcional de tempo quente” e maré baixa a meio do dia cozeu centenas de milhares de mexilhões. Alterações climáticas vão tornar estes fenómenos mais frequentes, avisam os investigadores.

Foto
Peter Secan/ Unsplash

Centenas de milhares de mexilhões apareceram cozidos numa praia neozelandesa, na ilha Norte do país. O fenómeno terá sido provocado pela combinação de “um período excepcional de tempo quente” com uma maré baixa a meio do dia, de acordo com Andrew Jeffs, investigador marinho da Universidade de Auckland, em declarações ao Guardian.

A descoberta foi feita por habitantes da zona, que se depararam com um cenário “desolador”, com “mais de 500 mil conchas vazias” na área.

“Cheirava a morte e a maior parte das conchas já não tinha sido limpa pelas gaivotas e outros animais, mas ainda havia centenas de mexilhões a morrer e outros já mortos a ser levados pela corrente, à deriva”, descreveu Brandon Ferguson, um dos residentes, ao jornal regional The Northern Advocate.

A ilha do Norte tem enfrentado um período de seca com várias partes da região a não verem chuva há mais de 40 dias. Os mexilhões não são os únicos a sofrer: a falta de água tem afectado a população de kiwis, os pássaros emblemáticos da Nova Zelândia, e mesmo algumas comunidades mais remotas têm feito pedidos de abastecimento de água, confrontados com tanques de recolha de água da chuva vazios.

Os investigadores estudam há uma década as dificuldades das populações de mexilhões face às alterações climáticas. Andrew Jeffs avisa que as alterações climáticas vão tornar episódios destes cada vez mais frequentes (há um ano, uma situação semelhante aconteceu na Califórnia) e que pouco ou nada pode ser feito para proteger os mexilhões. Os bivalves são muito importantes para a ecologia da costa neozelandesa, mas as condições cada vez mais adversas estão a ameaçar os próprios recifes de coral. “Vamos perdê-los”, alertou o investigador.