“Aljustrel tem uma mina”: o “maior percurso mineiro urbano do país” tem 12km de caminhadas

O passeio inclui passagem por sítios emblemáticos da vila, como o centro histórico, o parque mineiro e o santuário de Nossa Senhora do Castelo.

Fotogaleria
O percurso permite conhecer pontos emblemáticos da vila CM Aljustrel
Fotogaleria
O Largo do Mineiro na vila de Aljustrel CM Aljustrel
Fotogaleria
São 12km de passeio CM Aljustrel
Fotogaleria
A caminhada inclui caminhos urbanos e rurais e passadiços de madeira CM Aljustrel
Fotogaleria
Malacate do Poço Viana CM Aljustrel
Fotogaleria
Mina de Algares CM Aljustrel

O maior percurso mineiro urbano de Portugal está disponível em Aljustrel para “amantes” de caminhadas poderem visitar e desvendar “segredos e riquezas” dos principais locais de interesse da vila mineira alentejana, divulgou o município.

O percurso “Aljustrel tem uma mina”, que foi criado pela Entidade Regional de Turismo do Alentejo e do Ribatejo, “é considerado o maior percurso mineiro urbano do país”, refere a Câmara de Aljustrel, no distrito de Beja.

Segundo o município, o percurso, que tem como temáticas o complexo mineiro, o espaço urbano e a paisagem rural, “permite conhecer Aljustrel a pé, levando os caminhantes a passar pelos principais locais de interesse da vila mineira”.

PÚBLICO -
Foto
São 3/4 horas de passeio calmo pelas belezas da vila CM Aljustrel

Entre os locais, destacam-se sítios “emblemáticos” da vila de Aljustrel, como o centro histórico, o parque mineiro e o santuário de Nossa Senhora do Castelo.

No centro histórico, estão a igreja matriz e o museu municipal, e, no parque mineiro, pode-se observar escombros mineiros, a chaminé da Transtagana e o malacate de Vipasca e visitar uma antiga galeria mineira e o núcleo museológico da Central de Compressores.

De acordo com a Paróquia de Aljustrel, o santuário é composto por uma grande escadaria que começa na rua e termina no adro da Ermida de Nossa Senhora do Castelo, um “autêntico miradouro” sobre o concelho de Aljustrel e zonas limítrofes.

Segundo o município, o percurso, que é “a forma mais sustentável” de conhecer a vila, “desafia” os “amantes de caminhadas” a percorrerem a terra de “lés a lés” e a desvendarem “passo a passo” os seus “segredos e riquezas”.

O percurso convida os interessados a “perderem-se” pelas ruas e praças, a visitarem os monumentos, a apreciarem os património mineiro, mas também o religioso e ligado à actividade agrícola e a conviverem com as gentes da terra para perceberem as suas cultura e identidade.

Com pontos de partida e chegada na antiga Escola Primária da Avenida, frente ao Jardim Público 25 de Abril, o percurso tem 12 quilómetros de extensão, passa por caminhos urbanos e rurais e passadiços de madeira e demora entre três a quatro horas a ser percorrido.

A sinalética do percurso dá indicações dos caminhos a percorrer e é reconhecida e aceite internacionalmente como a de um percurso de pequena rota até 30 quilómetros.

Segundo o município, o percurso tem um grau de dificuldade baixo e “é acessível a pessoas com mobilidade reduzida, em equipamentos adequados, e a invisuais, desde que acompanhados”.

O percurso, que está homologado e registado, foi criado no âmbito do projecto TransAlentejo, promovido pela Entidade Regional de Turismo do Alentejo e do Ribatejo para “dinamizar o turismo de natureza” e ao qual a Câmara de Aljustrel se associou