Há duas casas portuguesas entre os edifícios do ano do ArchDaily

Casa dos Aires Mateus em Monsaraz e casa A, do escritório Rem’A, em Guimarães, estão entre os 15 premiados pelo site de arquitectura.

,Arquitetura
Fotogaleria
Casa em Monsaraz, dos arquitectos Aires Mateus JOÃO GUIMARÃES
,Arquitetura
Fotogaleria
Casa A, atelier Rem'A, em Guimarães IVO TAVARES STUDIO
,Gasolina
Fotogaleria
Estação de carga para veículos eléctricos na Dinamarca Rasmus Hjortshøj
,Rue Yves Saint Laurent
Fotogaleria
Museu Yves Saint Laurent em Marraquexe Dan Glasser
,Escola Secundária Nacional
Fotogaleria
Escola Secundária em Chongqing, China Guangkun Yang
Arquitetura
Fotogaleria
Centro de Saúde em Krün, Alemanha Erieta Attali
,Restaurante
Fotogaleria
Restaurante Garden Hotpot em Chengdu, China MUDA Architects
,Arquiteto
Fotogaleria
Torre residencial em Montpellier, França Cyrille Weiner
,Arquitetura
Fotogaleria
Fábrica de energia em Copenhaga, Dinamarca Laurian Ghinitoiu
Zhongshuge
Fotogaleria
Livraria Zhongshuge em Chongqing, China Feng Shao
,Arquitetura
Fotogaleria
Edifício de escritórios em Hollywood, Los Angeles, EUA Iwan Baan
,The Rain Vortex
Fotogaleria
Aeropoto Jewel Changi em Singapura Safdie Architects
,Capela de madeira
Fotogaleria
Capela em Lutzingen, Alemanha Felix Friedman
,Arquitetura
Fotogaleria
Casa Parasita em Quito, Equador Andres Villota
,tênis
Fotogaleria
Corte de ténis em Roland Garros, Paris, França Erieta Attali

Uma casa que o atelier Aires Mateus projectou para uma propriedade em Monsaraz, junto à barragem do Alqueva, e outra que o escritório vimaranense Rem’A (Romeu Ribeiro + José Pedro Marques) desenhou para a sua cidade estão entre os 15 vencedores dos prémios ArchDaily para os edifícios do ano, divulgados no início desta semana.

“Diante da infinita extensão do lago do Alqueva, procura-se um pátio, um centro para a casa, protegido e simultaneamente aberto sobre a água”, diz a descrição do projecto de 2018 dos Aires Mateus para esta região do Alentejo, que tem uma área construída de 174 metros quadrados, e que foi escolhido na categoria Casas; já a Casa A (2016-19), dos Rem’A, localiza-se num loteamento típico e denso da periferia de Guimarães, e foi distinguido na categoria Melhor Aplicação de Produto.

Na edição deste ano, o site fundado em 2018 recolheu mais de 95 mil votos para a eleição online dos edifícios do ano em 15 categorias. Os restantes prémios foram assim distribuídos:

Arquitectura comercial: Estação de carga ultra rápida para veículos eléctricos, na Dinamarca (atelier COBE, 2019);

Arquitectura Cultural: Museu Yves Saint Laurent, em Marraquexe, Marrocos (Studio KO, 2017);

Arquitectura Educacional: Escola Secundária em Chongqing, na China (gad, 2018);

Arquitectura Hospitalar e de Bem-Estar: Centro de Saúde em Krün, Alemanha (Kengo Kuma & Associates, 2018);

Arquitectura Hoteleira: Restaurante Garden Hotpot em Chengdu, China (MUDA-Architects, 2019);

Habitação: Torre Residencial L’Arbre Blanc em Montpellier, França (Sou Fujimoto Architects + Nicolas Laisné + OXO architects + Dimitri Roussel, 2019);

Arquitectura Industrial: Fábrica de energia e centro de recreação em Copenhaga, Dinamarca (Bjarke Ingels Group, 2019);

Arquitectura de Interiores: Livraria Zhongshuge em Chongqing, China (X+Living, 2019);

Arquitectura Corporativa: Edifício de escritórios Second Home em Hollywood, Los Angeles, EUA (Selgascano, 2019);

Arquitectura Pública: Aeroporto Jewel Changi em Singapura (Safdie Architects, 2019);

Arquitectura Religiosa: Capela de madeira em Lutzingen, Alemanha (John Pawson, 2018);

Pequena Escala e Instalações: Casa Parasita em Quito, Equador (El Sindicato Arquitectura, 2019);

Arquitectura Desportiva: Corte de ténis Simonne-Mathieu em Roland Garros, Paris, França (Marc Mimram, 2018).

Sugerir correcção