Hospitais abrem um concurso para cada prótese: “É como se fôssemos obras públicas”

Médicos prescrevem as próteses a quem perdeu um membro e centrais de compras abrem os concursos. Associação Nacional de Amputados pede método mais personalizado. Governo vai rever Sistema de Atribuição de Produtos de Apoio.

Fotogaleria
Paula Leite Paulo Pimenta
saude,educacao,sociedade,hospitais,ministerio-saude,iefp,
Fotogaleria
Paula Leite em casa Paulo Pimenta
saude,educacao,sociedade,hospitais,ministerio-saude,iefp,
Fotogaleria
Paula Leite em casa, com o gato Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paula Leite em casa Paulo Pimenta
saude,educacao,sociedade,hospitais,ministerio-saude,iefp,
Fotogaleria
Paula Leite a fazer escalada Paulo Pimenta
saude,educacao,sociedade,hospitais,ministerio-saude,iefp,
Fotogaleria
Paula Leite a praticar voleibol sentado Paulo Pimenta
Trisha Greenhalgh
Fotogaleria
Paula Leite em casa Paulo Pimenta

A cadência varia mas, em média, uma vez por semana a Associação Nacional de Amputados (ANAMP) é contactada por alguém que não consegue usar a prótese que lhe foi prescrita num hospital e paga pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS). “Têm-na dentro de um saco, encostada ao guarda-vestidos, a ganhar pó. É um desperdício”, diz a presidente daquela associação, Paula Leite.