RELEVANTEDESIGN/UNSPLASH
Foto
RELEVANTEDESIGN/UNSPLASH

Namorar com Fair Play procura voluntários para prevenir violência no namoro

A campanha dirige-se a jovens dos 16 aos 30 anos com “disponibilidade e gosto em comunicar com outros jovens”, que “sejam sensíveis às desigualdades de género e queiram ser motores na prevenção” da violência no namoro.

Abriram esta sexta-feira, Dia dos Namorados, as inscrições para jovens integrarem a campanha de voluntariado Namorar com Fair Play, promovida pelo Instituto Português do Desporto e Juventude junto de escolas e associações juvenis, com vista a desenvolver acções de prevenção da violência no namoro.

A campanha dirige-se a pessoas dos 16 aos 30 anos e as inscrições prolongam-se até 28 de Fevereiro. Destina-se a jovens com “disponibilidade e gosto em comunicar com outros jovens” e que “sejam sensíveis às desigualdades de género e queiram ser motores na prevenção” da violência no namoro. A acção de voluntariado vai prolongar-se de 9 de Março até 31 de Maio, para os 100 jovens autopropostos seleccionados no país. Numa primeira fase, estes terão dois dias e meio de sensibilização, em Março.

Segundo comunicado oficial do Ministério da Educação, Namorar com Fair Play “incentiva, de forma lúdico-pedagógica, a uma cidadania activa e participativa, contribuindo para a promoção de relações de namoro saudáveis e igualitárias.” Voluntários vão receber formação, durante cerca de sete meses.

Em anos anteriores, a campanha envolveu “centenas de voluntários”, desenvolvendo-se em mais de 250 entidades, tendo desencadeado mais de 500 acções e abrangido mais de 32 mil participantes.

Os dados do Estudo Nacional da Violência no Namoro 2019, da União de Mulheres Alternativa e Resposta, apresentados esta sexta-feira, “demonstram a necessidade de agir para erradicar este fenómeno”, segundo o Ministério da Educação. Dos 4600 jovens inquiridos, 67% legitima pelo menos um comportamento de violência — controlo (27%), perseguição (24%), violência sexual (24%), violência através das redes sociais, violência psicológica (16%) e violência física (9%).