CGTP: entre o meio século de luta e o desafio da nova liderança

Isabel Camarinha deverá ser escolhida esta noite como secretária-geral. Vem dos serviços e será o rosto de uma central historicamente liderada por operários. Congresso no Seixal olha para o futuro.

Arménio Carlos
Foto
José Manuel Oliveira, sindicalista da Fectrans, Arménio Carlos e Isabel Camarinha no desfile do 1.º de Maio de 2018 Nuno Ferreira Santos

A maior central sindical portuguesa entra hoje num novo capítulo da sua história. Ao fim de oito anos à frente da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP), Arménio Carlos passa a liderança a Isabel Camarinha, um rosto desconhecido até agora, mas com um passado de três décadas de luta sindical — mais de metade do tempo de vida da central que agora vai coordenar.