Cinema

Parasitas: como as escadas do filme inspiram posters alternativos

Fotogaleria

Os Parasitas invadiram a casa da família Park e o mundo do cinema — e já se infiltraram, também, nas artes plásticas. O filme sul-coreano estreou-se no Festival de Cannes em Maio de 2019 e, desde então, tem vindo a gerar “burburinho”. O cume desta montanha de expectativa foi alcançado no último domingo, com o thriller de Bong Joon-ho a conquistar quatro estatuetas da Academia. Parasitas foi galardoado com os óscares de Melhor Argumento Original, Melhor Filme Internacional, Melhor Realizador e Melhor Filme. Antes de fazer história e de se tornar na primeira longa-metragem não falada em inglês a levar para casa a estatueta de Melhor Filme, a história da família Kim já inspirava milhões pelo mundo fora. Posters alternativos começaram a surgir pelas redes sociais, bem como as mais diversas ilustrações. Os artistas apresentam a sua visão pessoal do filme, deixam partes de si entrelaçadas na narrativa de Parasitas, criando posters únicos. Elementos como a rocha (suseok), o pêssego, os reflexos e as escadas estão bem presentes. Os contrastes entre as vidas à superfície e subterrâneas, entre ricos e pobres, entre a família Park e a família Kim, são uma constante. E, no fundo, constituem a essência da criação de Joon-ho.

Andrew Bannister, director de arte, designer e ilustrador inglês a viver em Londres foi contratado pela Curzon Artificial Eye (a distribuidora do filme no Reino Unido) para desenvolver dois trabalhos distintos. O primeiro consistiu na adaptação do poster sul-coreano original para o formato inglês; o segundo, na criação de um produto inteiramente novo. A ideia era desenvolver um produto visual que pudesse ser “uma obra de arte por si só”, um trabalho ilustrado “que tanto pudesse ser exibido numa galeria como numa sala de estar”.

O designer refere ao P3 que ficou “enormemente afectado pelo filme” quando o viu pela primeira vez e que a “riqueza das imagens inspira imediatamente a criação de um poster como aquele que idealizou. As escadas foram o elemento escolhido logo no início, até porque constituem “uma importante peça visual no filme para o realizador Bong Joon-Ho”. O contraste entre as famílias e, simultaneamente, o equilíbrio da imagem foram aspectos indispensáveis para o artista. Apesar de os Kim e os Park pertencerem “a mundos distintos de estatuto social, também têm algo em comum: a fixação mútua com o capitalismo”.

Uma vez escolhida a disposição dos elementos, Andrew desenhou as personagens digitalmente e criou o layout das escadas no Photoshop. Adicionou detalhes como texturas, quadros nas paredes da casa moderna e condutas e canos na cave. O último passo foi testar cores e fontes de luz para a imagem que viria a “ganhar popularidade global” — a primeira nesta fotogaleria. 

O britânico não foi o único a seguir este processo criativo e a colocar as escadas como elemento central. Amanda Penley, Nicole Dai, Joseph K. Roman e Samraj, de uma perspectiva mais ou menos minimalista, também destacam as escadas nas suas ilustrações. Jisu Choi e o estúdio La Boca afastam o ângulo para a casa completa. Charlie Bowater, Danny DalCompo, Randy Ortiz, Gustavo C., Igor e Vicente Nirō focam-se em pormenores mínimos na escala global, mas essenciais para a narrativa de Parasitas. Já Greg Ruth, Nikos Borgis e Marie Bergeron escolheram apresentar composições que simbolizam o choque entre as famílias Kim e Park.

andrew bannister
La Boca
Greg Ruth
jisu choi
Amanda Penley
Nikos Borgis
Marie Bergeron
charlie bowater
danny dalcompo
nicole dai
Igor e Vicente Niro
randy ortiz
Joseph K. Roman
Gustavo C.
samraj
Sugerir correcção