México

No México, um exército de crianças combate um cartel de droga

Crianças caminham em fila. Nas mãos transportam armas reais e de brincar, enquanto demonstram aos jornalistas os passos que aprenderam nas aulas de acção militar Alexandre Meneghini | REUTERS
Fotogaleria
Crianças caminham em fila. Nas mãos transportam armas reais e de brincar, enquanto demonstram aos jornalistas os passos que aprenderam nas aulas de acção militar Alexandre Meneghini | REUTERS

Quem caminha pelas ruas de cimento e terra batida da aldeia mexicana de Ayahualtempa, no distrito de Guerrero, não pode ignorar a presença das crianças armadas que as patrulham. Não é um cenário comum, mesmo num país como o México, que registou, em 2019, um número recorde de homicídios: 34 582.

Ayahualtempa vive sob o cerco do cartel de droga Los Andillos, que exige a todos os agricultores que plantem, nos seus terrenos, a flor do ópio (a base da produção de heroína) para os extorquir. Como forma de resistência, a aldeia criou uma milícia, a CRAC-PF, que tenta — nem sempre de forma eficaz — proteger os habitantes. As autoridades mexicanas não conseguiram, até à data, colocar termo ao conflito, por isso os locais decidiram adoptar medidas drásticas.

Até à data, nenhum dos menores disparou a sua arma por motivos de segurança ou auto-defesa, indica a Reuters. Há mesmo quem suspeite que tudo não passe de uma encenação para os média. A notícia fez manchete em quase todos os meios de comunicação mexicanos — o que serviu os interesses dos habitantes de Ayahualtempa, que há anos tentavam chamar a atenção do Governo para o problema.

O quotidiano da aldeia é marcado por episódios de violência extrema. Em Janeiro, dez músicos de Ayahualtempa foram assassinados simplesmente por avançarem sobre território não guardado pela CRAC-PF. Há cerca de um ano, o pai de Abuner Martinez, de 16 anos, foi sequestrado, torturado e decapitado pelo cartel Los Andillos. Abuner, à semelhança de outras crianças da aldeia, tem medo de frequentar a escola, que fica fora de área protegida pela milícia local. "A partir dessa altura, fiquei com medo", diz à Reuters, empunhando uma caçadeira num dos postos de vigia da aldeia.

Miguel Toribio, de 11 anos, exibe a arma que pertence ao seu pai
Miguel Toribio, de 11 anos, exibe a arma que pertence ao seu pai Alexandre Meneghini | REUTERS
Reinel Toribio, de 9 anos, exibe os seus novos conhecimentos militares, com recurso a uma arma de brincar, diante de dois agentes da polícia local e de um grupo de jornalistas
Reinel Toribio, de 9 anos, exibe os seus novos conhecimentos militares, com recurso a uma arma de brincar, diante de dois agentes da polícia local e de um grupo de jornalistas ©Alexandre Meneghini
Guillermo Gatica, de 6 anos, exibe novos conhecimentos que adquiriu durante um treino militar, com recurso a uma arma de brincar, diante de jornalistas
Guillermo Gatica, de 6 anos, exibe novos conhecimentos que adquiriu durante um treino militar, com recurso a uma arma de brincar, diante de jornalistas Alexandre Meneghini | REUTERS
Criança exibe, perante os jornalistas, com recurso a uma arma de brincar, os movimentos que aprendeu durante os treinos militares
Criança exibe, perante os jornalistas, com recurso a uma arma de brincar, os movimentos que aprendeu durante os treinos militares Alexandre Meneghini | REUTERS
O pai de Abuner Martinez, de 16 anos, foi sequestrado, torturado e decapitado por Los Andillos. Tem medo de voltar à escola, que fica fora de área protegida pelas CRAC-PF
O pai de Abuner Martinez, de 16 anos, foi sequestrado, torturado e decapitado por Los Andillos. Tem medo de voltar à escola, que fica fora de área protegida pelas CRAC-PF Alexandre Meneghini | REUTERS
Crianças caminham em Rincon de Chautla
Crianças caminham em Rincon de Chautla ©Alexandre Meneghini
A mãe de Alberta Rodriguez Hernandez foi torturada e assassinada, alegadamente, por membros de Los Andillos
A mãe de Alberta Rodriguez Hernandez foi torturada e assassinada, alegadamente, por membros de Los Andillos Alexandre Meneghini | REUTERS
Crianças demonstram com armas reais e de brincar os seus novos conhecimentos militares a jornalista da Reuters
Crianças demonstram com armas reais e de brincar os seus novos conhecimentos militares a jornalista da Reuters Alexandre Meneghini | REUTERS
Agentes da polícia local na parte traseira de uma carrinha escoltam mulheres viúvas (de vítimas da acção de Los Andillos) para que possam recolher os seus cheques-pensão fora de área protegida por CRAC-PF
Agentes da polícia local na parte traseira de uma carrinha escoltam mulheres viúvas (de vítimas da acção de Los Andillos) para que possam recolher os seus cheques-pensão fora de área protegida por CRAC-PF Alexandre Meneghini | REUTERS
Modesto Verales revista a carrinha onde o seu irmão foi assassinado, assim que foi recuperada pela polícia local
Modesto Verales revista a carrinha onde o seu irmão foi assassinado, assim que foi recuperada pela polícia local Alexandre Meneghini | REUTERS
Adan Sanchez, de 9 anos, joga xadrez com a irmã Zitlalen Ester, de 8 anos, na sua casa
Adan Sanchez, de 9 anos, joga xadrez com a irmã Zitlalen Ester, de 8 anos, na sua casa Alexandre Meneghini | REUTERS
Mulher transporta duas galinhas que foram mortas para serem cozinhadas, em Ayahualtempa
Mulher transporta duas galinhas que foram mortas para serem cozinhadas, em Ayahualtempa Alexandre Meneghini | REUTERS
Funeral de cinco dos dez músicos que foram, alegadamente, assassinados pelo cartel de droga El Andillo
Funeral de cinco dos dez músicos que foram, alegadamente, assassinados pelo cartel de droga El Andillo Alexandre Meneghini | REUTERS
Os caixões de cinco dos dez músicos que foram assassinados fora da área de protecção da CRAC-PF,Os caixões de cinco dos dez músicos que foram assassinados fora da área de protecção da CRAC-PF
Os caixões de cinco dos dez músicos que foram assassinados fora da área de protecção da CRAC-PF,Os caixões de cinco dos dez músicos que foram assassinados fora da área de protecção da CRAC-PF Alexandre Meneghini | REUTERS
A família de Espiriodion Gaspar, polícia local, desapareceu depois de um ataque do cartel de droga Los Ardillos
A família de Espiriodion Gaspar, polícia local, desapareceu depois de um ataque do cartel de droga Los Ardillos Alexandre Meneghini | REUTERS
Guarda comunitário mostra balas de calibre 45mm depois de as ter trocado com um colega por balas de outro calibre
Guarda comunitário mostra balas de calibre 45mm depois de as ter trocado com um colega por balas de outro calibre Alexandre Meneghini | REUTERS
Guarda comunitário posa para fotografia enquanto aguarda num posto de vigia
Guarda comunitário posa para fotografia enquanto aguarda num posto de vigia Alexandre Meneghini | REUTERS
Yektli Sanchez, de 14 anos, também recebeu treino militar
Yektli Sanchez, de 14 anos, também recebeu treino militar Alexandre Meneghini | REUTERS
Vista sobre Rincon de Chautla, Mexico
Vista sobre Rincon de Chautla, Mexico Alexandre Meneghini | REUTERS
Sugerir correcção