Álvaro Barreto: um trânsito permanente entre empresas e política

Revelou-se no PSD como gestor com perfil de tecnocrata. Engenheiro civil de formação, foi ministro pela última vez em 2004, com Santana Lopes. Morreu esta segunda-feira, aos 84 anos.

Fotogaleria
Álvaro Barreto, ministro da economia, no dia do primeiro debate do novo governo de Santana Lopes, na Assembleia da República David Clifford
Preto M
Fotogaleria
Álvaro Barreto em 2004 Luís Ramos
Preto M
Fotogaleria
Com Santana Lopes e Paulo Portas no dia da votação do Orçamento do Estado para 2005 PEDRO CUNHA
Preto M
Fotogaleria
Setembro de 2004: com Jorge Moreira da Silva e Luís Nobre Guedes, colegas de governo Miguel Madeira
Preto M
Fotogaleria
Barreto em 1996 no Parlamento quando era deputado
Fotogaleria
Barreto com Pina Moura em 1998
Fotogaleria
Barreto na apresentação de resultados da Soporcel em 1999

Após meses de internamento, Álvaro Barreto, 84 anos, morreu esta segunda-feira num hospital de Lisboa. Foi ministro com seis chefes de Governo, de Carlos Mota Pinto a Francisco Pinto Balsemão, de Sá Carneiro a Mário Soares, de Aníbal Cavaco Silva a Pedro Santana Lopes. Participou em diversas fórmulas governativas, do bloco central à sucessão de Durão Barroso por Santana Lopes, passando pelo início da década do cavaquismo. Esteve à frente de seis pastas, da Indústria à Agricultura, da Integração Europeia ao Comércio e Turismo, das Actividades Económicas ao Trabalho. Fez um percurso de trânsito permanente entre o mundo empresarial e a política, a Assembleia da República e os conselhos de administração, os grupos económicos e os ministérios.