CDS desafia PSD a entendimento alargado às autárquicas e legislativas

O recém-eleito líder centrista diz que o partido está disponível para iniciar negociações com o seu parceiro tradicional de Governo. Já em relação à eutanásia, pede ao PSD que se junte ao CDS num combate pela vida.

Foto
Francisco Rodrigues dos Santos foi ao congresso do PSD que legitimou Rui Rio como presidente do partido Paulo Pimenta

O novo líder do CDS, Francisco Rodrigues dos Santos, foi este domingo à sessão de encerramento do congresso do PSD dizer que o seu partido está disponível para a encetar negociações com os sociais-democratas com vista à “construção de uma maioria alternativa não socialista em Portugal”.

“O CDS está disponível para iniciar negociações com o PSD, certamente que nos encontraremos para apresentarmos uma solução de governo que possa estruturar pontes e construir soluções alargadas para reformar o nosso país”, declarou o líder democrata-cristão.

“Temos naturalmente a porta sempre aberta para o PSD, é o partido com o qual privilegiaremos as nossas negociações com vista à construção de uma maioria alternativa não socialista em Portugal”, declarou o novo líder democrata-cristão, em declarações aos jornalistas na sessão de encerramento do congresso do PSD, em Viana do Castelo.

A solução de governo que Francisco Rodrigues dos Santos defende será feita, segundo disse, “com base na estabilidade e em soluções de compromisso que permitam avançar com as reformas [da justiça e do sistema político] que Rui Rio sublinhou [no congresso] e que o CDS tem vindo a falar há algum tempo”.

Para o líder centrista, o facto de Rui Rio ter colocado o PSD ao centro não representa nenhum problema. “Estando o PSD ao centro, é necessário que exista esta direita que é a fronteira de todos os extremismos que representa o CDS”, justificou Rodrigues dos Santos, acrescentando: “O CDS, embora tenha reparado que o PSD esteja a adoptar uma estratégia rigorosamente ao centro, não vejo que isso seja prejudicial na medida em que o CDS e o PSD não são partidos substitutivos um do outro, mas sim complementares”.

Francisco Rodrigues dos Santos reteve as palavras que o presidente do PSD, Rui Rio, dedicou ao CDS logo no início do seu discurso de encerramento do conclave. “As palavras de Rui Rio foram simpáticas. O CDS mereceu uma nota particular, uma vez que temos um lastro, uma tradição importantíssima na nossa democracia de conseguirmos estabelecer pontes de entendimento para ajudar o país a atravessar situações difíceis com vista a que haja uma convergência para padrões de vida dos portugueses cada vez mais elevados e de bem-estar, e esse é o nosso compromisso”, sublinhou.

O desafio que o presidente do CDS deixou ao PSD prevê uma coligação em matéria de eleições autárquicas. “É importante que haja uma aliança alargada a pensar já nas próximas eleições autárquicas de modo a que PSD e CDS consigam ganhar a maioria do número de câmaras ao PS”, afirmou o líder centrista, deixando subentendido que os dois partidos estão condenados a entenderem-se. “O CDS tem no PSD o seu parceiro tradicional, a história assim o dita, queiramos em conjunto construir esta relação com base numa cooperação institucional, baseada num diálogo construtivo, estruturado, leal e de confiança recíproca. Creio que através do discurso do que pretende Rui Rio e até dos reptos que formam sendo lançados pelo CDS, após o nosso último congresso, estão criadas as condições para que seja criada esta plataforma de entendimento”, reiterou Francisco Rodrigues dos Santos.

Mas se em matéria de coligações o CDS está em sintonia com o seu parceiro tradicional de Governo, na questão de eutanásia os dois partidos têm posições diferentes, e este domingo Rodrigues dos Santos foi a Viana convidar os sociais-democratas a juntarem-se ao CDS no “combate absoluto pela vida contra a eutanásia [despenalização da morte assistida]”. Pelo meio, deixou um desafio ao Estado para que nesta matéria tenha “um papel humanista e que não desista das pessoas e não olhe para a vida como um valor que pode ser descartado”. “Cabe ao Estado ajudar aqueles que sofrem, aqueles que estão numa situação de dificuldades”, disse o líder do CDS, acrescentando que a partir desta segunda-feira inicia uma ronda pelos partidos políticos, que começa pelo PSD, na sequência da eleição dos novos órgãos nacionais.

O Parlamento volta a tentar legalizar a morte assistida depois de ter falhado por cinco votos em Maio de 2018. O debate está marcado para o dia 20 de Fevereiro e Bloco, PAN, PS e PEV acreditam que a nova configuração da AR permitirá a aprovação – basta o voto destes partidos para isso.

António Pinheiro Torres apresentou uma moção ao congresso do PSD sobre a eutanásia. Na reunião magna do partido houve delegados que defenderam a realização de um referendo. Numa entrevista domingo à RTP, Rui Rio, questionado sobre o tema, admitiu fazer um referendo. Paulo Rangel defende um debate nacional alargado e mostra-se favorável à realização de um referendo.