Ensaio

Deito-me ao comprido na erva

Deitam-se ao comprido no caminho desimpedido, atrapalhando a passagem de ninguém.

Foto
Álvaro Domingues

Deito-me ao comprido na erva.
E esqueço do quanto me ensinaram.
O que me ensinaram nunca me deu mais calor nem mais frio,
O que me disseram que havia nunca me alterou a forma de uma coisa.
O que me aprenderam a ver nunca tocou nos meus olhos.
O que me apontaram nunca estava ali: estava ali só o que ali estava. (1)