Torne-se perito

Varandas critica claques e garante que “nunca mais” vão mandar no Sporting

O líder sportinguista comentou as agressões ocorridas durante a tarde a elementos da direcção do emblema “leonino”.

Frederico Varandas
Foto
Frederico Varandas LUSA/RODRIGO ANTUNES

O presidente do Sporting, Frederico Varandas, criticou neste domingo, fortemente, a claque Juventude Leonina e garantiu que “nunca mais” terá privilégios nem mandará no emblema de Alvalade enquanto estiver à frente do Conselho Directivo dos “leões”.

Frederico Varandas, que falava aos jornalistas na zona mista do Estádio José Alvalade, após o triunfo do Sporting frente ao Portimonense (2-1), em jogo da 20.ª jornada da I Liga, insurgiu-se contra das agressões ao vogal Miguel Afonso e a um assistente de recinto desportivo, bem como às ofensas à filha de Miguel Afonso e ao vice-presidente Filipe Osório de Castro.

“Dois elementos do Conselho Directivo e a filha de um deles sofreram uma emboscada de cerca de seis elementos cobardes. Pontapearam um vogal do Conselho Directivo e um segurança e cuspiram na cara de uma miúda de 16 anos. Isto é o que se tem vindo a passar há mais de 10 anos. Episódios como este levaram a que um presidente se demitisse. Curiosamente, os presidentes e os treinadores vão mudando e quem está à frente desta claque mantém-se”, começou por dizer.

Numa declaração sem direito a perguntas por parte da imprensa, Frederico Varandas, sem nunca pronunciar o nome da “Juve Leo”, relembrou que as críticas à actual direcção vêm já da terceira jornada da I Liga.

“Saímos de Portimão no primeiro lugar e fui ofendido. O que mudou foram os privilégios que estes senhores não têm e que com esta Direcção nunca mais voltam a ter. Se julgam que por cobardemente amedrontar, esta Direcção vai recuar? é fácil recuar. Temos famílias e podemos questionar-nos se vale a pena, mas estamos aqui porque amamos este clube. Este clube não é deles, é dos sócios. Vai chegar o momento em que não pode só ser esta Direcção a bater-se. O que está em causa não é um resultado desportivo, está em causa a soberania do Sporting. Estes senhores julgam que mandam no Sporting, mas não mandam e nunca mais irão mandar”, concluiu.

Antes do encontro com o Portimonense, mais de dois mil adeptos do Sporting manifestaram-se em frente ao Pavilhão Multiusos do Sporting onde exigiram a demissão do actual Conselho Directivo, querendo a realização de novas eleições no mais curto prazo.