Polémica com Regina Guimarães traz à luz historial de censura no Teatro Municipal do Porto

A actriz Sara Barros Leitão e o director do Teatro Art’Imagem relatam outros casos de “censura” e “abuso de poder” no Teatro Municipal do Porto. Também o artista Miguel Januário tem visto alguns dos seus stencils selectivamente apagados do espaço público por não encaixarem na “narrativa” oficial da Câmara do Porto.

,Teatro Rivoli
Foto
ADRIANO MIRANDA

Em Junho de 2019 abria-se uma via de entrada no Teatro Municipal do Porto (TMP) para os artistas que ainda não tinham pisado os palcos das suas duas casas, o Rivoli e o Campo Alegre. O desafio, lançado num site criado por uma equipa liderada pela actriz Sara Barros Leitão, estendeu-se à cidade em cartazes espalhados pelas ruas. Naquele mês, arrancaria um projecto artístico que pretendia questionar e repensar o TMP fora das suas lógicas habituais. (Des)ocupação convidava os artistas a inscreverem-se num Salão dos Recusados, uma alusão ao histórico Salon des Refusés nascido em 1863 como alternativa ao Salon de Paris, reservado aos pintores alinhados com os cânones da arte académica.